Prisão domiciliar não é necessária para Jefferson tratar câncer, diz laudo

O laudo do trio de oncologistas encarregado de examinar o ex-deputado
do PTB Roberto Jefferson diz que o autor da denúncia do mensalão não tem
necessidade de permanecer em casa. O documento será usado pelo ministro
Joaquim Barbosa para decidir se aceita o pedido da defesa para que
Jefferson fique em prisão domiciliar, e não no regime semiaberto, ao
qual foi inicialmente condenado.

Datado de 4 de dezembro, o texto, ao qual os advogados de Jefferson
tiveram acesso, informa que não foi encontrada “qualquer evidência” do
câncer de que ele se tratou ? a partir da retirada de um tumor no
pâncreas em 2012.

“Do ponto de vista oncológico, esta junta não identifica como
imprescindível, para o tratamento do sr. Roberto Jefferson Monteiro
Francisco, que o mesmo permaneça em sua residência ou internado em
unidade hospitalar”, sustenta o laudo. Assinam os médicos Carlos José
Coelho de Andrade, Rafael Oliveira Albagli e Cristiano Guedes Duque,
todos do Inca (Instituto Nacional de Câncer).

Condenado a sete anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de
dinheiro, Jefferson sempre frisou que seu pedido de prisão domiciliar
não é motivado pelo câncer, hoje em remissão, e sim pelo desequilíbrio
metabólico e pela restrição alimentar resultantes do tratamento.

O laudo é um duro revés para a defesa do ex-deputado, que espera agora a
manifestação de Joaquim Barbosa, relator do processo e a quem cabe
determinar as prisões.

No caso do ex-deputado petista José Genoino, que também recebeu laudo
contrário ? concessão de regime aberto, o relator do mensalão optou por
deixá-lo provisoriamente em casa, até tomar decisão definitiva.

Compartilhe