Graça Foster, presidente da estatal, recebeu policiais na sede da Petrobras

A Polícia Federal (PF) apreendeu, nesta sexta-feira, documentos na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, que poderão ajudar nas investigações da Operação Lava Jato. Segundo os policiais, “houve colaboração” da presidência da estatal e não foi necessário usar o mandado de busca e apreensão.

Em comunicado, a Petrobras informou que um delegado e três agentes da Polícia Federal foram recebidos pela presidente, Graça Foster, em uma sala de reunião. De acordo com a nota, ela acionou a Gerência Jurídica da companhia para colaborar imediatamente com o cumprimento da ordem judicial. Sem revelar quais foram os documentos apreendidos, a Petrobras informou que eles são referentes a uma contratação específica.

A PF cumpre nesta sexta-feira 21 mandados – dois de prisão temporária, quatro de condução coercitiva e 15 de busca e apreensão. As ações são parte da Operação Lava Jato e estão em curso em São Paulo, em Campinas, no Rio de Janeiro, em Macaé e em Niterói.

Entre os detidos pela Polícia Federal, até então, estão o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

A Operação Lava Jato investiga uma organização criminosa suspeita de movimentar mais de R$ 10 bilhões com câmbio ilegal, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, exploração e comércio ilegal de diamantes, corrupção de agentes públicos e outros crimes. Os estabelecimentos usados seriam postos de combustíveis e uma rede de lavanderias.

Compartilhe