Ex-assessor do Ministério da Saúde é indiciado por estupro

Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPIPANDEMIA) realiza oitiva do empresário que teria atuado informalmente durante meses no Ministério da Saúde, sem ter qualquer vínculo com o setor público. O empresário e ex-assessor do Ministério da Saúde, Airton Antonio Soligo, conhecido como Airton Cascavel, abre seu depoimento fazendo um apelo para que os brasileiros se vacinem, continuem usando máscara e respeitem o distanciamento social, pois a pandemia ainda não acabou. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Airton Cascavel é acusado por uma mulher que tinha 18 anos na época do suposto crime

O empresário Airton Cascavel, ex-assessor do Ministério da Saúde, foi indiciado por estupro pela Polícia Civil de Santa Catarina. A mulher que o acusa tinha 18 anos na época do suposto crime.

No dia 08 de fevereiro, o ex-número 2 do então ministro Eduardo Pazuello foi preso preventivamente em Boa Vista (RR)

O indiciado é réu em outro processo na Justiça de Roraima. Ele é acusado de cometer abusos sexuais contra uma criança. O caso corre em segredo de justiça.

Airton prestou depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid do Senado em agosto do ano passado (2021). Ele teria atuado informalmente como número 2 do ex-ministro da Saúde antes de ser nomeado assessor, cargo que ocupou entre junho de 2020 e março de 2021. À época, disse à Comissão que sua função no ministério era auxiliar na interlocução com políticos de Estados e municípios.

Compartilhe