Robinson Almeida chama de “crueldade” proposta de Bolsonaro que prevê 1 domingo de folga a cada 2 meses para trabalhador

Parlamentar do PT conclamou trabalhadores a reagir e lutar contra eventual medida

Uma nova reforma trabalhista defendida pelo presidente Bolsonaro (PL) foi classificada como “cruel e inadmissível” pelo deputado Robinson Almeida (PT/BA). O estudo encomendado pelo governo federal prevê que o trabalhador só possa ter 1 domingo de folga a cada 2 meses. O Palácio do Planalto argumenta que a medida geraria mais empregos e seria um fator importante para alavancar a recuperação econômica brasileira.

“É uma crueldade inadmissível de Bolsonaro e seus aliados. Não podemos permitir tamanha regressão. As relações de trabalho no Brasil, desde do golpe de 2016, já tiveram grandes e dolorosas perdas para os trabalhadores. A precarização do trabalho foi instituída por Michel Temer e consolidada por Bolsonaro. É importante a classe trabalhadora permanecer vigilante e se unir à luta para que mais direitos, consagrados na CLT e na Constituição, não sejam roubados pela turma da mentira e do atraso”, afirmou Robinson.

“Não faz muito tempo, fizeram as reformas da previdência e trabalhista com a promessa de que haveria um oceano de oportunidades de trabalho e emprego, mas a verdade é que, desde que tiraram a presidenta Dilma Rousseff, o trabalhador brasileiro ficou sem direito e sem emprego”, protestou o petista.

Pela proposta do governo Bolsonaro, também não haverá o reconhecimento de vínculo de emprego entre prestadores de serviço e aplicativos.

“Temos que denunciar esse ensaio e lutar contra essa agenda que rouba direitos, rouba a esperança de nosso povo e impôs a inflação, o desemprego e a fome para o Brasil”, enfatizou o deputado.

As sugestões para uma série de mudanças na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e na Constituição foram elaboradas por um grupo instituído pelo Ministério do Trabalho e da Previdência. O texto já foi concluído e está sob avaliação do governo federal.

Compartilhe