João Roma mantém pré-candidatura ao Governo da Bahia e diz que Bolsonaro está “determinado em ajudar os mais necessitados”

O Ministro da Cidadania, João Roma, não descartou a possibilidade de ingressar no Partido Liberal para garantir um palanque na Bahia a candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro. O ministro é o nome do presidente para disputar o governo baiano em 2022. Na assinatura para aquisição de mais vacinas contra Covid em Salvador, nesta segunda-feira, 29, João Roma disse que tem boa relação com a direção nacional e estadual do Republicanos e que eventual saída da sigla seria consessual. O ministro ingressou no partido da Igreja Universal numa articulação que envolveu, na época, o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, de quem foi chefe de gabinete e, atualmente, tem relações políticas cortadas por conta do apoio ao governo Bolsonaro.

“Está cada vez mais forte a vertente que eu devo avançar na candidatura ao governo dando suporte a eleição do presidente Bolsonaro. Ainda não manifestei a cerca disso (deixar o Republicanos e entrar no PL) uma vez que nós estamos buscando essas tratativas internas dentro do partido”, afirmou Roma.

Sobre o Auxílio Brasil, medida anunciada pelo Ministério da Cidadania em substituição ao Bolsa Família, o ministro disse que espera sensibilizar os senadores para que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprove a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23/2021, conhecida como PEC dos Precatórios, que cria espaço fiscal no Orçamento do País para o pagamento do benefício social estimado em até R$ 400 para a população mais pobre. A matéria será apreciada pelo colegiado nesta terça-feira, 30, antes de ir à votação em plenário.

“Nós temos buscado sensibilizar cada um dos senadores, assim como nós conseguimos na Câmara dos Deputados o empenho dos parlamentares em aprovação de uma matéria, que não é matéria de governo, é uma matéria de uma resposta do estado brasileiro a população mais necessitada”, opinou o ministro. “O presidente Bolsonaro está determinado em ajudar população mais necessitada”, concluiu.

Por Jones Almeida

Compartilhe