Anvisa pede que Rússia envie relatório técnico para analisar vacina Sputnik V

Segundo a agência, o Certificado de Registro emitido pelo ministério da saúde russo não veio com as informações que atestam os aspectos de qualidade, segurança e eficácia do imunizante

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu à Rússia que envie o relatório técnico da vacina Sputnik V contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Gamaleya no país. Segundo a agência, os processos de importação do imunizante protocolados por 12 Estados e um município continuam sendo analisados pela agência. “Na análise da documentação, a Anvisa verificou que o Certificado de Registro emitido pelo Ministério da Saúde da Rússia não veio acompanhado de relatório técnico que ateste os aspectos de qualidade, segurança e eficácia da vacina que subsidiaram a decisão da autoridade estrangeira”, diz a nota publicada pela Anvisa.

A agência afirma que vem imprimindo esforços junto às autoridades estrangeiras a fim de suprir a ausência de informações e lista as ações executadas, como a reunião com o Fundo Russo e Ministério da Saúde da Rússia, a realização de reuniões com a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), reunião com o Embaixador da Rússia no Brasil na última sexta-feira, 9, entre outras. A Anvisa informa, ainda, que enviou seus técnicos à Rússia para fazer a inspeção da fábrica onde a Sputnik V é desenvolvida. De acordo com a agência, “todos os solicitantes foram comunicados quanto à necessidade de apresentação das informações para que a agência delibere sobre os pedidos, em até 30 dias, conforme prazo legal”. Os Estados que pediram à Anvisa a importação da Sputnik V foram: Bahia, Acre, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Rondônia, Pará e Alagoas. O único município que fez o mesmo pedido à agência foi Maricá, no Rio de Janeiro.

Compartilhe