Governo Bolsonaro gastou mais de R$ 15 milhões com leite condensado em 2020

Em 2020, ano em que a pandemia assolou o Brasil, chama atenção o aumento de gastos com alimentação do governo de Jair Bolsonaro. Os ítens também são curiosos: leite condensado, chiclete, picolé, geleia de mocotó, vinho, bombom, chantilly, sagu. e por aí vai.

Juntos, todos os órgãos do executivo sob comando de Bolsonaro gastaram mais de R$ 1,8 bilhão em alimentação. O aumento, em relação ao primeiro ano do presidente (2019), é de 20%. O levantamento foi feito pela coluna (M)Dados, do jornal Metrópoles, e se tornou o assunto mais comentado do dia.

Só com chiclete (goma de mascar), foram gastos mais de 2 milhões (R$ 2.203.681,89). Com adoçante, o valor gasto pela União foi de mais de R$ 12 milhões. Com molho shoyo e molho pimenta, foram mais de R$ 14 milhões. Pizza e refrigerante somam R$ 32,7 milhões aos cofres públicos.

Com leite condensado, foram R$ 15.641.777,49. A lista é longa e inclui também gastos ainda mais altos como R$ 89, 6 milhões em carne bovina, e R$ 45,2 milhões com embutidos. A lista do Painel de Compras pode ser acessada via internet no site do Ministério da Economia.

Compartilhe