Bolsonaro discursa hoje na ONU com foco nas ações em defesa do meio ambiente

Mesmo com o número de incêndios pelas florestas do Brasil em 2020 aproximando-se de 147 mil — o maior índice para o período entre janeiro e setembro dos últimos 10 anos —, o presidente Jair Bolsonaro deve abrir os debates da 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), às 10h de hoje, afirmando que o seu governo tem se comprometido com a questão ambiental no país. Ele rebaterá as críticas de lideranças políticas e instituições internacionais sobre a falta de empenho do Palácio do Planalto no combate aos incêndios florestais.

Apesar da devastação nos biomas, sobretudo na Amazônia e no Pantanal, Bolsonaro dirá aos demais chefes de Estado que o governo brasileiro tem preservado as áreas naturais. Argumentará, ainda, que os incêndios são normais e que o número de focos de calor registrado neste ano nas florestas brasileiras não está tão elevado como a mídia tem divulgado. No discurso, o presidente também deve direcionar palavras a organizações não-governamentais e reclamar da “perseguição injusta” que ele tem sofrido por diversas ONGs ambientalistas.

Bolsonaro se baseou nesses argumentos porque, no entendimento da sua equipe, precisará dar uma resposta à pressão da comunidade internacional e reparar a imagem do Brasil no aspecto ambiental. Ontem, ao conversar com jornalistas no Palácio do Planalto, o vice-presidente Hamilton Mourão declarou que Bolsonaro vai tratar dos esforços do governo para mitigar a degradação das florestas nacionais. “Vai focar na Amazônia. Vai mostrar, em princípio, aquilo que nós estamos fazendo: a criação do Conselho (Nacional da Amazônia Legal), a operação Verde Brasil II, os esforços do governo no sentido de combater as ilegalidades. Não é simples, não é fácil, e elas continuam a acontecer, infelizmente”, disse.

Por mais que os números atuais joguem contra Bolsonaro, aliados do mandatário defendem que o governo não pode ceder aos “interesses” de outras nações. “Alardeiam publicamente que nada foi feito pelo governo federal. Esse é um dos pontos focais desse problema, não podemos admitir e incentivar que nações, entidades e personalidades estrangeiras, sem passado que lhes dê autoridade moral para nos criticar, tenham sucesso em seu objetivo principal, obviamente oculto mas evidente, que é prejudicar o Brasil e derrubar o governo Bolsonaro”, disse ontem o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, em audiência no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a política ambiental brasileira.

Segundo Heleno, “o assunto é altamente polêmico”, mas “não há comprovação científica de que o aumento de incêndio nas florestas primárias decorra de inação do governo federal”. “Na verdade, elas têm a ver com fenômenos naturais, cuja ação humana é incapaz de impedir. As ONGs, que têm por trás potências estrangeiras para nos apresentarem ao mundo como vilões do desmatamento e do aquecimento do planeta, usam argumentos falsos, números fabricados e manipulados, e acusações infundadas para prejudicar o Brasil”, acusou.

Imagem negativa
A visão do governo, claro, difere frontalmente de outras análises. Parlamentares e analistas políticos acreditam que o Brasil pode ficar com uma imagem ainda mais prejudicada caso Bolsonaro tente minimizar os impactos dos incêndios florestais. Para a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), que integra a Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, o chefe do Executivo “não reconhece que o governo não tem feito o mínimo, o elementar, com a causa ambiental brasileira”.

“A gente torce para que ele proteja a imagem brasileira, mas que a sua fala seja realista e mantenha o compromisso com causas fundamentais. Mas, considerando o histórico do presidente, entendemos que ele pode vir com mais uma fala negacionista. Essa falta de reconhecimento é a reafirmação da falta de compromisso. Os olhares internacionais estão voltados para o Brasil. Estamos vivendo um momento muito grave na parte ambiental e tendo uma repercussão enorme pelas queimadas e pelo desmatamento”, alertou Eliziane Gama.

Carlos Rittl, ambientalista e pesquisador visitante do Instituto de Estudos Avançados de Sustentabilidade de Potsdam, na Alemanha, comentou que Bolsonaro deveria abrir mão do discurso negacionista e mostrar programas efetivos no combate às queimadas no Pantanal e na Amazônia. “O presidente briga com a ciência, os satélites, os ambientalistas, os indígenas e com os dados. Ele tende a fazer isso novamente em seu discurso. Só não enfrenta, de fato, o desmatamento e os crimes ambientais. Enquanto isso, madeireiros ilegais, grileiros e criminosos ambientais continuam a lucrar com a devastação, e todos nós pagamos o preço alto, pela poluição do ar, o clima desequilibrado e a imagem do país no nível mais baixo possível. Com os desmontes e discursos, Bolsonaro tornou o Brasil um pária global”, criticou.

Sessão virtual
Por causa da pandemia da covid-19, a Assembleia Geral da ONU deste ano acontecerá virtualmente. Bolsonaro e outros líderes internacionais enviaram declarações gravadas. O tema da 75ª edição do evento é: “O futuro que queremos, as Nações Unidas que precisamos: reafirmar nosso compromisso coletivo com o multilateralismo — enfrentando a covid-19 por meio de uma ação multilateral efetiva”. No discurso, o presidente brasileiro também deve destacar que o país teria sido um dos melhores no enfrentamento à doença, apesar dos quase 138 mil mortos e dos cerca de 4,6 milhões de infectados. Ele ressaltará as ações realizadas para liberar o auxílio emergencial e reduzir os impactos econômicos da pandemia no Brasil.

Relatório pedirá investigação
Durante a Assembleia Geral da ONU deste ano, será apresentado um relatório da instituição que sugere uma investigação internacional contra o governo do presidente Jair Bolsonaro por as políticas brasileiras referentes ao meio ambiente e aos direitos humanos. As informações foram publicadas pelo portal UOL. Se aprovada, a investigação pode prejudicar as relações diplomáticas do Brasil e a captação de recursos para o fortalecimento das políticas de combate ao desmatamento e conservação ambiental. O documento foi elaborado pelo relator especial da ONU sobre direitos humanos e substâncias e resíduos tóxicos, Baskut Tuncak, que vai pedir ao Conselho de Direitos Humanos para aprovar a abertura de um inquérito contra o atual presidente brasileiro. A embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, criticou a iniciativa. “O Brasil não vai se submeter à tutela politizada, disfarçada de um mandato técnico”, afirmou.

Nota da onça

 (crédito: do Greenpeace. Reprodução/Greenpeace)
crédito: do Greenpeace. Reprodução/Greenpeace

Após o lançamento da nota de R$ 200 pelo governo, foi a vez do GreenPeace lançar uma nova moeda. Em protesto virtual, a organização criou uma cédula de R$ 2,3 milhões representando o “real valor do descaso com o meio ambiente”. A quantia é uma referência à área consumida, em hectares, pelo fogo no local até o momento. O animal escolhido para representar a cédula foi uma onça-pintada que teve as patas atingidas com queimaduras de segundo grau em um dos locais de incêndio. Ela foi resgatada do Pantanal, no Parque Estadual Encontro das Águas e encaminhada para a ONG Nex No Extinction, em Corumbá (GO). Na nota, a onça aparece caída e com as patas enfaixadas. Uma imagem de árvores e matas queimando também foi reproduzida. Do lado oposto, a efígie da República é representada chamuscada pela fuligem no entorno da máscara, em referência à pandemia de coronavírus. A hashtag #NotadoPantanal também foi lançada para engajamento de internautas. “É devastador observar o quanto o Brasil está em chamas e vamos pagar uma conta muito alta por isso. Precisamos urgentemente de medidas efetivas de curto, médio e longo prazo para combater e prevenir o desmatamento e as queimadas. Não são apenas nossos biomas queimando, mas também a nossa economia e o nosso futuro”, afirma Cristiane Mazzetti, porta-voz de florestas.

Compartilhe