Ministério público quer Flordelis com tornozeleira e afastada da Câmara

Foi pedido na última sexta-feira (11) pelo promotor Carlos Gustavo Coelho de Andrade para que a deputada federal Flordelis dos Santos de Souza seja suspensa o exercício da função pública, e que seja monitorada através de tornozeleira eletrônica, além de obrigada a cumprir recolhimento domiciliar durante o período da noite. A deputada apontada como mandante da morte de Anderson Carmo não pode ser presa em razão de sua imunidade parlamentar.

Segundo o Jornal Extra, os requerimentos já haviam sido feitos, mas foram negados pela Justiça, entretanto, apenas medidas cautelares, como proibição de mudar o endereço e de ter contato com testemunhas e réus do processo, foram declaradas como suficientes.

Após novos fatos, o Ministério Público voltou a fazer um novo pedido após uma bomba ser jogada na casa de uma das testemunhas, de modo a intimidá-la. O promotor Carlos argumentou no documento que houve dificuldade de encontrá-la ao ser citada na 3ª Vara Criminal de Niterói e na corregedoria da Câmara, por isso, a tornozeleira eletrônica seria ideal para saber sua localização.

Compartilhe