Oposição quer estender pagamento de auxílio emergencial até o final de 2020

Ordem do dia para votação de propostas legislativas. Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia (DEM - RJ)

Partidos de oposição na Câmara dos Deputados já se preparam para tentar prorrogar até o final deste ano o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00 para as pessoas mais vulneráveis diante da pandemia do coronavírus.

Nesta terça-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou a prorrogação do benefício por mais dois meses, mas a oposição na Câmara quer que a ajuda valha pelo menos até durar o estado de calamidade que foi decretado pelo governo federal até o final de 2020.

O anúncio do governo nesta terça já representa um recuo de Bolsonaro, que tinha como ideia inicial pagar mais três parcelas com o valor reduzido, totalizando R$ 1.200.

A proposta de três parcelas, de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, não chegou a ser apresentada oficialmente, mas foi até compartilhada pelo ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Ramos, e ainda comentada pelo próprio presidente em uma de suas transmissões semanais, ao vivo.

Diante de reações e da promessa feitas até pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) de elevar o valor das parcelas para R$ 600,00, Bolsonaro anunciou mais duas partes de R$ 600.

“Estender até o final do ano é uma proposta que já foi conversada na bancada do PSB e todos concordam”, disse o deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

Compartilhe