Bolsonaro sobre acordos com Índia: “Para nos potencializar”

No segundo dia de viagem à Índia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) enalteceu os 15 atos de cooperação assinados com o país e ressaltou a importância de estreitar os laços do Brasil com o país asiático de 1,3 bilhão de habitantes.

“O sentimento que levo é de que realmente são dois países que, ao firmar grandes parcerias, irão nos potencializar e fazer com que o mundo olhe de maneira diferente para nós”, afirmou na Hyderabad House, um palácio tradicional em Nova Délhi usado para recepção de líderes internacionais.

O presidente lembrou que Brasil e Índia estão entre as dez maiores economias do mundo e que somam 1,5 bilhão de habitantes. “Temos muito a oferecer para a Índia e a Índia tem muito a oferecer para todos nós”.

Antes da declaração de Bolsonaro, o primeiro-ministro Narendra Modi fez um discurso destacando que a visita para o Dia da República da Índia é um símbolo da forte amizade entre os dois países.

“A parceria estratégica entre Índia e Brasil tem base nas ideologias e nos valores parecidos”, afirmou. “Apesar da distância geográfica entre nós, estamos juntos de mãos dadas em muitos fóruns globais e também somos parceiros de desenvolvimento”, disse.

Bolsonaro é o terceiro brasileiro a participar do evento — Fernando Henrique Cardoso esteve em 1996 e Luiz Inácio Lula da Silva em 2004.

Segundo Modi, foi preparado um plano de ação até 2023 para áreas como comércio, facilitação de investimentos, agricultura e pecuária, aviação civil, energia e biocombustíveis, ciência, tecnologia, inovação, cooperação espacial e para o meio ambiente. Com isso, os países decidem aprofundar uma parceria estratégica lançada em 2006.

Um dos principais interesses da visita é a ampliação da produção de etanol na Índia. Modi quer aumentar a presença do biocombustível na matriz energética do país, o que faria com que parte da produção de cana fosse destinada do açúcar para o etanol.

A medida interessa aos brasileiros porque a Índia subsidia parte da produção, a maior do mundo na última safra, exporta em alta quantidade e acaba distorcendo os preços no mercado internacional.

O primeiro-ministro afirmou ainda que o Brasil será um parceiro valioso na transformação econômica da Índia. “Quando olhamos as complementaridades de nossas economias, podemos aumentar”, afirmou. Em 2019, o intercâmbio comercial entre os dois países foi de US$ 7,5 bilhões.

Confira os cinco acordos fechados na visita de Bolsonaro à Índia:

Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI);
Acordo de Previdência Social;
Acordo sobre Assistência Jurídica Mútua em Matéria Penal;
MdE sobre Cooperação em Bioenergia;
Programa de Intercâmbio Cultural para 2020-2024;
Antes do encontro com Modi, Bolsonaro foi ao memorial do líder pacifista Mahatma Gandhi, para quem ofereceu flores, uma tradição que todos os chefes de Estado que visitam a Índia seguem. Ainda neste sábado (25/01/2020) há a previsão de um encontro com o presidente da Índia, Ram Nath Kovind e com o vice, Venkaiah Naidu.

Compartilhe