Nelson Leal diz que situação de tensão no Chile, com 19 mortos, é “sinal de alerta para o Brasil”

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA, Nelson Leal, disse hoje (25.10), que a tensão vivida no Chile, com protestos, centenas de feridos e a morte de 19 pessoas, é um sinal de alerta para o Brasil. “Quando nós propomos a exclusão da capitalização na proposta de Reforma da Previdência, usamos justamente o modelo chileno para demonstrar que naquele país não deu certo. No Chile, um ditador, Pinochet, implantou a capitalização e, hoje, 80% dos aposentados chilenos recebem menos de um salário mínimo e a taxa de suicídio entre os idosos é altíssima. O resultado é que o país de Pablo Neruda vive uma forte convulsão social. Espero que o Brasil aprenda com o que está acontecendo no Chile, no Equador, na Argentina”, diz o chefe do Legislativo da Bahia, em viagem por Ituaçu, Barra da Estiva, Rio de Contas e Livramento de Nossa Senhora.

Leal diz que é um defensor do livre mercado, mas que também não abre mão de um Estado indutor do desenvolvimento e capaz de estabelecer políticas sociais compensatórias. “Quando acontecem as tragédias sociais, difícil é achar os culpados. Com Brumadinho, em Minas, está sendo assim. Agora mesmo, com as praias e estuários do Nordeste manchados pelo petróleo, ninguém sabe quem é o responsável. Nessa hora, os donos do ‘mercado’ se escondem. Temos que ter livre mercado, sim, mas também temos que combater as desigualdades sociais que perduram no Brasil desde 1500”, protesta o presidente da ALBA.

Ele lembra que a elevação da tarifa do metrô foi o estopim para a crise no Chile, mas que o pano de fundo da insurreição popular nas ruas de Santiago e de outras cidades chilenas é a gritante desigualdade entre os que têm tudo e os que não têm direito a absolutamente nada. “Como cantou Chico Buarque, o metrô foi a ‘gota d’água’ para transbordar o descontentamento da sociedade com tanta injustiça social, onde os sistemas previdenciário e de saúde chilenos são apenas para fazer lucrar empresas privadas, em uma economia dolarizada, mas de salários incompatíveis com o alto custo de vida”, critica Leal.

VIAGEM PELA CHAPADA

Depois de ter visitado, ontem, os municípios de Seabra, Ipirá e Capela do Alto Alegre, o presidente da ALBA esteve hoje em Ituaçu, na Chapada Diamantina, distante 516 km da capital, recebido pelo prefeito Adalberto Luz, onde participou de reunião com agricultores que receberam os boletos do plano Garantia Safra. “É importante sair do gabinete e ir ao encontro das carências da população do interior. E pude atestar o grande trabalho do governador Rui Costa ao incentivar a agricultura familiar na Bahia. Somente nos últimos três anos foi injetado mais de R$ 1 milhão, em Ituaçu, com o dinheiro do Garantia Safra. Hoje, são 500 agricultores, mas a meta é dobrar esse número”, disse Leal.

O deputado também lembrou importantes investimentos do Governo do Estado no município, como o Sistema Simplificado de Abastecimento, com investimentos de R$ 6,6 milhões, que beneficia com água de qualidade quase 1.600 moradores de Baraúnas, Várzea da Pedra, Jurema, Abóbora, Lagoa dos Patos, Várzea Comprida, Olhos D’Água do Meio, Pé da Ladeira, Lagoa da Laje e Troia.

“Também saliento o investimento de R$ 100 milhões na recuperação da BA-142, no trecho que liga o distrito de Sussuarana, em Tanhaçu, até o município de Andaraí, na Chapada Diamantina. Trata-se de uma das principais vias de acesso e de escoamento da produção dos municípios de Tanhaçu, Ituaçu, Barra da Estiva e Mucugê”, destacou.

Nelson Leal almoçou em Barra da Estiva com o prefeito João de Didi, com o vice-prefeito Son Martins, o presidente da Câmara, vereador Valter Pereira, além de vereadores e lideranças locais, conferindo de perto as obras de asfaltamento do centro da cidade. O presidente da ALBA ainda realizou encontros políticos em Rio de Contas e Livramento de Nossa Senhora, sua terra natal.

Compartilhe