Prefeitura de Salvador retira mais 200 quilos de petróleo apenas no Jardim de Alah

A Prefeitura, por meio da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb), já retirou 200 quilos de petróleo encontrados na praia de Jardim de Alah, na manhã desta quarta-feira (16). Neste momento, o material também está sendo retirado das praias do Jardim dos Namorados e Boca do Rio, no trecho do Centro de Convenções de Salvador. Também estiveram presentes no local representantes de outros órgãos municipais, como as secretarias de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (Secis) e Casa Civil, e de demais esferas de governo.

O presidente da Limpurb, Marcus Passos, salientou que não houve novas praias atingidas desde as primeiras manchas encontradas em Salvador e, mesmo com a grande quantidade de material encontrada hoje pela manhã, a operação de retirada do petróleo foi feita com bastante agilidade. “De quinta-feira à noite para cá, haviam sido removidos apenas 37 quilos. Hoje, no Jardim de Alah, o montante foi retirado em 40 minutos, desde que apareceu com a maré baixa. No Jardim dos Namorados, a estimativa é de que o material seja retirado em uma hora e meia”, afirmou.

O gestor ainda salientou que o papel da Prefeitura nos casos de mancha de óleo nas praias têm sido a de retirada e observação de presença da substância na areia. “Desde a quinta-feira, as equipes trabalham dia e noite nos locais, com ronda e observação de novas manchas. As três esferas (municipal, estadual e federal) estão unidas, sempre realizando reuniões diárias e trocando informações”, completou. Somente nesta quarta-feira, foram mobilizados 275 agentes do órgão, sendo 225 distribuídos entre Jardim de Alah, Jardim dos Namorados e Pituba, e os outros 50 na região de Itapuã/Stella Maris.

O secretário da Secis, André Fraga, ressaltou o prejuízo causado pelo petróleo no meio ambiente e aproveitou para reforçar o alerta à população. “Os impactos (do petróleo) são visíveis, seja pela fauna ou flora, para biota ou vegetação, por ser um material extremamente tóxico. É importante que as pessoas saibam que não podem tocar sem uma proteção, uma luva, por exemplo. A cidade tem dado uma resposta muito rápida e os cidadãos devem ficar atentos a qualquer situação do tipo, ou seja, se surgir uma mancha é necessário comunicar aos órgãos competentes”, pontuou.

Orientação – Em todo o trecho de atuação da Coordenadoria de Salvamento Marítimo (Salvamar), que vai de Ipitanga ao Jardim de Alah, os salva-vidas estão orientando os banhistas para, caso encontrem alguma mancha de óleo na água ou na areia, evitem tocar o material e informem a situação a um salva-vidas ou através do telefone 156.

Em situações que envolvam animais afetados pelo petróleo, o contato pode ser feito com a Guarda Civil Municipal pelo telefone (71) 3202-5312, ou com a Polícia Ambiental, no número 190, a qualquer hora do dia. O Ibama também poderá ser acionado pelo (71) 3172-1650.

Os agentes da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb) também estão de plantão 24h para fazer a limpeza em todas as praias da cidade. O órgão também pode ser acionado pelo número 156. Em caso de reação alérgica no toque ou ingestão do óleo, basta entrar em contato com uma unidade de saúde.

Compartilhe