PMs são denunciados por morte de jovem no Rio

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou nesta terça-feira
(13), por meio da 9ª Promotoria de Investigação Penal, os policiais
militares (PMs) Márcio José Watterlor e Delviro Anderson Moreira
Ferreira pela morte de Haíssa Vargas Motta. Ela foi assassinada com um
tiro nas costas em agosto de 2014, em Nilópolis, na Baixada Fluminense,
durante abordagem policial.

Os policiais responderão pelo crime de homicídio doloso, quando não
há intenção de matar. De acordo com o Código Penal, a pena varia de 12 a
30 anos de prisão. Os PMs tinham sido afastados das atividades públicas
da corporação e, por isso, aguardarão o julgamento em liberdade.
Entretanto, por ordens judiciais, deverão entregar as armas para cautela
da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Inicialmente, apenas Márcio José, autor dos disparos, seria
denunciado, mas, segundo a denúncia, Delviro contribuiu para o crime, já
que era o comandante e dirigia a viatura durante a perseguição. Além
disso, o fuzil utilizado por Márcio estava sob cautela de Delviro.

Lotados no 41º Batalhão Militar (Irajá), os policiais abordaram o
carro onde Haíssa estava com mais quatro amigos na madrugada do dia 2 de
agosto de 2014. Durante a perseguição foram efetuados nove disparos. O
caso só ganhou visibilidade pública após a divulgação do vídeo produzido
pela câmera da viatura utilizada na ação.

Compartilhe