Blogueiro que ofendeu Joaquim Barbosa é detido após confusão com senador do PSDB

Um bate-boca com o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) resultou
na detenção do blogueiro Rodrigo Grassi hoje (6), pela Polícia do
Senado. Grassi abordou o senador para questioná-lo sobre a função das
comissões parlamentares de inquérito e sobre a postura de seu partido, o
PSDB, a respeito de investigações na Assembleia Legislativa de São
Paulo.

Inicialmente solícito, Aloysio Nunes se irritou com uma
pergunta de Grassi sobre o suposto envolvimento dele com desvio de
verbas para a construção do metrô de São Paulo. ?Um jovem me abordou a
pretexto de fazer uma entrevista a respeito de CPIs. Eu parei para falar
com ele e, no meio da entrevista, ele me fez uma ofensa muito grave. Eu
então tentei segurá-lo para chamar a segurança e ele saiu correndo.
Depois, quando eu estava saindo do Senado, ele voltou a me abordar e foi
preso?, contou o senador.

Rodrigo alega que apenas fez perguntas
a Aloysio. O blogueiro divulgou um vídeo em sua página no Facebook com a
discussão. ?Eu fiz três perguntas e ele se irritou, começou a me xingar
e me agredir. Como foi na saída do Senado, a Polícia veio e me prendeu.
Me pegaram dentro do ônibus já, quando eu estava indo embora?, contou.

Conhecido
como Rodrigo Pilha, Grassi já foi assessor da deputada Erika Kokay
(PT-DF) e foi exonerado depois de ter se envolvido em outro episódio com
autoridades. Ele próprio divulgou um vídeo em que abordou o presidente
do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, na saída de um bar
em Brasília. Na oportunidade, Rodrigo chamou o ministro de
?autoritário?, ?tucano? e ?projeto de ditador?. Ele também gritou
palavras de ordem a favor do condenado na Ação Penal 470, o processo do
mensalão, José Dirceu.

Na época, o senador Aloysio Nunes Ferreira
foi ? Câmara solicitar abertura de processo disciplinar contra o
assessor de Erika Kokay, mas logo depois ele foi exonerado. Hoje, o
senador disse que Rodrigo usava o crachá de funcionário da Câmara para
circular livremente dentro do Congresso.

Compartilhe