Dilma diz que corrigirá tabela do Imposto de Renda

Em pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, a presidente Dilma
Rousseff anunciou que vai corrigir a tabela do Imposto de Renda e
atualizar os valores pagos aos beneficiários do Programa Brasil sem
Miséria.

Segundo ela, a correção trará um ?importante ganho salarial indireto e
mais dinheiro no bolso do trabalhador?, favorecendo quem vive da renda
do trabalho. O discurso é para marcar o Dia do Trabalho, celebrado
amanhã (1º).

No último dia 10 de março, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrou
com uma ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal
(STF), pedindo a correção da tabela para os isentos do pagamento de
imposto de renda, segundo a inflação medida pelo Índice de Preços ao
Consumidor Amplo (IPCA).

A OAB alegou que há defasagem acumulada de 61,24% no cálculo durante o
período de 1996 a 2013, de acordo com o Departamento Intersindical de
Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Se a correção for feita como pedido pela OAB, estarão isentos contribuintes que ganham até R$ 2.758, e não R$ 1.787 como é hoje.

?Assinei também um decreto que atualiza em 10% os valores do Bolsa
Família recebidos por 36 milhões de brasileiros beneficiários do
Programa Brasil sem Miséria?, declarou Dilma, programa que, segundo a
presidente, vai garantir que esses cidadãos continuem acima da linha da
extrema pobreza, definida pela Organização das Nações Unidas.

O programa garante ? s famílias renda mínima de R$ 70 por pessoa. No
início deste ano, o valor médio do pagamento aos beneficiários do Bolsa
Família era R$ 150,60.

Sobre o aumento do salário mínimo, corrigido pela inflação, é um
?instrumento efetivo para a diminuição da desigualdade? entre os
trabalhadores, a presidente assumiu o compromisso de ?continuar a
política de valorização do salário mínimo?.

Dilma rebateu críticas sobre o crescimento do mínimo.

?Para eles, um salário mínimo melhor não significa mais bem-estar para o
trabalhador e sua família, dizem que a valorização do salário mínimo é
um erro do governo e, por isso, defendem a adoção de medidas duras,
sempre contra os trabalhadores?.

Durante o pronunciamento, a presidente defendeu as políticas econômicas,
como o ?crescimento com estabilidade? e o ?controle rigoroso da
inflação?.

Sobre este assunto, Dilma afirmou que ?aumentos localizados de preço?
causam ?incômodo ? s famílias, mas são temporários e, na maioria das
vezes, motivados por fatores climáticos?.

Em relação ao setor energético, Dilma disse que a tarifa de energia teve ?a maior redução da história?.

?A seca baixou o nível dos reservatórios e tivemos de acionar as
termoelétricas, o que aumentou muito as despesas. Imaginem se nós não
tivéssemos baixado as tarifas de energia em 2013?.

Segundo ela, os investimentos feitos em geração e transmissão de energia
permitem hoje ao Brasil ?superar as dificuldades momentâneas, mantendo a
política de tarifas baixas?.

ASSISTA VÍDEO

Compartilhe