Oposição ameaça retaliar Renan

Em mais uma tentativa de pressionar por participação de deputados na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar irregularidades envolvendo a Petrobras, líderes da oposição na Câmara ameaçaram denunciar o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ao Ministério Público e ao Conselho de Ética do Senado.

A subida de tom oposicionista levou o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e o líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), a procurarem no início da noite o vice-presidente, Michel Temer, para discutir uma solução para a investigação envolvendo a estatal.

Renan é contrário a instalação da CPI exclusiva do Senado para investigar a estatal. Ele argumenta que o recurso da ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber determinando a instalação da CPI é inconstitucional e promete recorrer. A ministra acatou pedido da oposição para restringir os trabalhos da comissão de inquérito ? estatal, ao contrário do que defende o governo para tratar de temas que não têm relação com a estatal.
Diante das denúncias e da decisão da ministra, o Planalto vem trabalhando para instalar a CPI exclusiva do Senado, onde o governo tem maioria mais consolidada e pode controlar os rumos do trabalho.

Procurado ao longo do dia por líderes oposicionistas da Câmara, Renan manteve a posição de cumprir a decisão da ministra para instalar a CPI do Senado ignorando os apelos dos deputados. Nas conversas, os deputados disseram que Renan seria responsabilizado pela omissão sobre a CPI mista.

Inicialmente a oposição pensou em pedir o impeachment de Renan, mas regimentalmente não há essa possibilidade. Após consultas a juristas, os deputados decidiram ameaçar com uma representação na Procuradoria-Geral da República e outra no Conselho de Ética do Senado.

“Não vamos ficar submetidos ? vontade do Palácio do Planalto e não vamos aceitar que o presidente do Senado não cumpra a Constituição”, disse o líder do PSDB, Antonio Imbassahy (BA).

O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), reforçou o discurso e disse que os deputados não podem aceitar ser subjugados.

Antes de deixar a Câmara para conversar com Temer, Henrique Alves evitou polemizar. “Estou examinando com o senador Renan a solução que possa ser do interesse da Câmara e do Senado”, disse.

Além da oposição, partidos da base aliada também decidiram reforçar as cobranças por uma CPI da Petrobras composta por senadores e deputados. PMDB, PR, PTB e PSD decidiram endossar a briga dos deputados oposicionistas e prometem até integrar um movimento ao STF para garantir a instalação da CPI Mista.

Compartilhe