BC do país corta estímulo em US$ 10 bilhões e muda discurso sobre juros

O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, reduziu hoje seu
estímulo mensal ? economia americana em US$ 10 bilhões, para US$ 55
bilhões. Foi a terceira redução seguida no valor do programa.

A quantia é utilizada pela autoridade para comprar, todo mês, títulos
públicos e hipotecários. Com isso, o Fed disponibiliza mais recursos ao
mercado, ajudando a estimular uma retomada econômica.

A medida ficou em linha com economistas ouvidos pela reportagem, que já
esperavam a continuidade do corte gradual no estímulo americano.

Após o anúncio do Fed, os mercados de ações dos EUA operam em leve
queda. Aqui no Brasil, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira,
subia 0,76%, aos 46.500 pontos, ? s 15h50 (de Brasília).

No câmbio, o dólar ? vista, referência no mercado financeiro, tinha
desvalorização de 0,59% sobre o real, ? s 15h50, cotado em R$ 2,327 na
venda. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, subia 0,12%, a
R$ 2,345.

Juros

Em seu comunicado, o Fed descartou a taxa de desemprego como parâmetro
definitivo para avaliar a força da economia dos EUA. A autoridade
sinalizou que um aumento no juro básico do país -atualmente em seu menor
nível histórico, entre 0% e 0,25% ao ano- vai depender de outros
fatores.

O Fed retirou trecho em que afirmava que não consideraria elevar as
taxas de juros de curto prazo até que a taxa de desemprego recuasse
para, pelo menos, 6,5%, contanto que a inflação permanecesse contida. O
desemprego nos EUA está atualmente em 6,7%.

“O comitê atualmente espera que, mesmo depois de o emprego e a inflação
estarem perto de níveis consistentes com o mandato, as condições
econômicas podem, por algum tempo, justificar a manutenção da taxa de
juros abaixo dos níveis que o comitê vê como normais no longo prazo”,
diz o documento. 

Compartilhe