Prefeitura terá 400 pessoas nas ruas contra o trabalho infantil no Carnaval

A partir desta quinta feira (27), as 20 equipes de abordagem da Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate ? Pobreza (Semps) começam suas atividades no circuito do Carnaval. A intenção é combater a exploração do trabalho infantil, especialmente por parte dos comerciantes ambulantes que têm permissão para trabalhar no circuito.

No primeiro momento, os pais e responsáveis serão orientados a deixar seus filhos em casa ou então em um dos quatro abrigos montados pela Semps. Aqueles que insistirem em utilizar os menores nas suas tarefas, ou mesmo deixarem que eles perambulem e durmam nas ruas e avenidas, terão suas mercadorias e equipamentos apreendidos, além de perderem a licença em definitivo.

As equipes de abordagem social são compostas por cinco profissionais, sendo um assistente social ou um psicólogo e quatro educadores, em esquema de plantão 24 horas nas regiões do Centro e da Barra/Ondina. O trabalho conta com o apoio dos conselhos tutelares, da Polícia Militar, da Guarda Municipal e da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). No ano passado, foram realizadas 6.438 abordagens, com 256 crianças abrigadas, 2.014 crianças reencaminhadas para residências de parentes e na concessão de 141 cestas básicas.

Locais de acolhimento – O acolhimento institucional temporário será realizado em quatro abrigos da Semps distribuídos em pontos estratégicos do circuito, com capacidade para atender 360 crianças e adolescentes.  Os abrigos funcionarão das 19h desta quinta-feira (27) até 15h da quarta-feira (5).

No Circuito Osmar (Campo Grande/Praça Castro Alves), os abrigos vão funcionar na Escola Municipal Permínio Leite, na Rua Democrata, 168, Dois de Julho; e na Escola Estadual Senhor do Bonfim, na Rua General Labatut, s/n, Barris. Já no Circuito Dodô (Barra/Ondina), os abrigos estão localizados no Centro Integrado de Apoio ? Criança e ao Adolescente (CIAC), na Rua do Corte Grande, Alto de Ondina; e na Creche Calabar, na Rua Maria Pinho, s/n.
 
Nos abrigos, as crianças e adolescentes participarão de várias atividades educativas e lúdicas ao longo do dia, além de fazer a higiene pessoal e cinco refeições diárias, sempre orientados e acompanhados por educadores e nutricionistas. As pessoas que presenciarem situações de violação de direitos poderão registrar sua denúncia, informando o local, para que uma equipe de abordagem possa tomar as devidas providências. Os telefones são: (71) 9987-5147 (abordagem social) e (71) 9623-4955 (denúncias contra a violação de direitos de crianças e adolescentes).

Compartilhe