Presidente da Ucrânia é destituído do poder

O Parlamento Ucraniano determinou neste sábado, 22, a destituição do presidente Viktor Yanukovich | Foto: Reprodução de TV, considerado constitucionalmente inapto para prosseguir em suas funções. Novas eleições foram marcadas para o dia 25 de maio. A decisão foi tomada após o presidente deixar Kiev e seguir para o interior do país.

Dos 450 integrantes do Parlamento, 328 apoiaram a moção que considerou Yanukovich impossibilitado de cumprir suas obrigações constitucionais. A votação ocorreu após dezenas de deputados do partido de Yanukovich abandonarem o governo.

Logo após a decisão do Parlamento, a líder opositora Yulia Tymoshenko foi libertada da prisão.

Neste sábado, o presidente deixou Kiev após a assinatura de um acordo com a oposição nesta sexta, 21, que já estabelecia a realização de eleições neste ano, sem data marcada.

O recém-eleito presidente da câmara, Oleksander Turchynov, disse que Yanukovich “abandonou suas responsabilidades constitucionais, o que ameaça o funcionamento do estado, a integridade territorial e a soberania da Ucrânia”.

Os deputados reunidos no Parlamento aplaudiram a decisão e cantaram o hino nacional.

Em seguida, o Parlamento votou pela nomeação de novas autoridades, do procurador-geral, do ministro da Defesa e do chefe dos serviços de segurança do Estado.

A votação foi realizada na presença do representante da União Europeia na Ucrânia, Jan Tombinski. Segundo o novo presidente do Parlamento, Olexandre Turtchinov, o deputado da oposição Arseni Yatseniuk tinha conversado por telefone no início da tarde com o presidente Yanukovytchm na presença de outros deputados. Ele propôs que o chefe de Estado apresente imediatamente sua renúncia, o que teria sido aceito pelo presidente.

Turtchinov, que no início da manhã tinha sido eleito para assumir o lugar do presidente, explicou que Yanukovytch parece ter consultado alguém, mudado de ideia, e, depois, divulgado um vídeo “pré-gravado” no qual ele declara que não quer renunciar. “Nosso Estado não pode depender do humor de um presidente que deixou suas funções e foi para um logar que ninguém sabe onde fica”, afirmou ele na tribuna.

O ministro das relações exteriores da Polônia, Radoslaw Sikorski, que acompanha de perto a crise na Ucrânia, disse que a destituição do presidente não foi um golpe de Estado – visto que prédios do governo foram abandonados, e que o presidente do Parlamento foi eleito de maneira legal.

Nesta sexta, governo e oposição haviam assinado um acordo que previa a volta ? Constituição de 2004, reduzindo os poderes do presidente e aumentando os do Parlamento, e a convocação de eleições antecipadas.

Compartilhe