ONU vê racismo como problema estrutural do Brasil

O Grupo de Trabalho das Nações Unidas (ONU) sobre Afrodescendentes
visitou o Brasil durante dez dias. A comitiva saiu do país com a certeza
de que existe um grande contraste entre a situação dos negros e o
crescimento econômico no país.

O grupo esteve em cinco cidades, onde visitou favelas e quilombos,
além de se encontrar com autoridades e representantes da sociedade
civil. Em comunicado ? imprensa, os especialistas afirmaram ter
presenciado desigualdades de acesso ? educação, ? Justiça. ? segurança e
a serviços públicos entre negros e brancos.

No texto, a comitiva também disse ter visto racismo \”nas estruturas
de poder, nos meios de comunicação e no setor privado\”. A francesa
Mireille Fanon-Mendes-France e a argelina Maya Sahli, integrantes do
grupo, afirmaram que os negros estão \”subrrepresentados e invisíveis\”.
\”Os afrobrasileiros não serão integralmente considerados cidadãos plenos
sem uma justa distribuição do poder econômico, político e cultural\”,
disseram.

Um relatório final será construído para apresentar recomendações ao
governo brasileiro. O grupo reconhece o esforço do governo. \”Não é que o
governo não esteja fazendo o suficiente. Ele faz o que é possível. A
correlação de forças é que ruim\”, afirmou Mireille.

Compartilhe