Morro do Chapéu: Estuprador torturado e morto durante rebelião

Um estuprador morreu hoje após ser espancado e empalado durante uma rebelião de presos em Morro do Chapéu. Vinte e sete presos encarcerados na cadeia pública do município organizaram uma rebelião na tarde de ontem, por volta das 13h50. Os presos reclamavam do serviço de alimentação que estaria sendo oferecido, já que recentemente houve uma mudança no fornecedor do serviço.

Os rebelados colocaram fogo em colchões e destruíram todas as grades das celas. Eles quebraram as grades da cela onde estavam os presos acusados de estupro Edinalvo Souza Brito, vulgo Peixe Frito, e outro acusado, conhecido por Branco. Os dois foram agredidos com cortes de faca, paus e pedras. Peixe Frito, preso por 44 estupros, teve um pedaço de madeira introduzido no ânus.

Policiais de América Dourada, Carfarnaum e da Policia Rodoviaria Estadual foram deslocados para ajudar a conter o motim. Cerca de 20 policiais participaram da ação, que só foi contornada cerca de duas horas depois.
O líder da rebelião, o detento de prenome Yuri, foi ferido no ombro por ter entrado em confronto direto com os policiais. Peixe Frito e Yuri foram atendidos no Hospital São Vicente de Paulo e encaminhados para o Hospital Regional de Irecê, onde Peixe Frito acabou morrendo.

O detento Branco foi atendido no Hospital São Vicente e encontra-se a disposição da Justiça. Os outros presos devem ser transferidos para Salvador, já que a cadeia ficou completamente destruída na rebelião.

Um estuprador morreu hoje após ser espancado e empalado durante uma rebelião de presos em Morro do Chapéu. Vinte e sete presos encarcerados na cadeia pública do município organizaram uma rebelião na tarde de ontem, por volta das 13h50. Os presos reclamavam do serviço de alimentação que estaria sendo oferecido, já que recentemente houve uma mudança no fornecedor do serviço.

Os rebelados colocaram fogo em colchões e destruíram todas as grades das celas. Eles quebraram as grades da cela onde estavam os presos acusados de estupro Edinalvo Souza Brito, vulgo Peixe Frito, e outro acusado, conhecido por Branco. Os dois foram agredidos com cortes de faca, paus e pedras. Peixe Frito, preso por 44 estupros, teve um pedaço de madeira introduzido no ânus.

Policiais de América Dourada, Carfarnaum e da Policia Rodoviaria Estadual foram deslocados para ajudar a conter o motim. Cerca de 20 policiais participaram da ação, que só foi contornada cerca de duas horas depois.
O líder da rebelião, o detento de prenome Yuri, foi ferido no ombro por ter entrado em confronto direto com os policiais. Peixe Frito e Yuri foram atendidos no Hospital São Vicente de Paulo e encaminhados para o Hospital Regional de Irecê, onde Peixe Frito acabou morrendo.

O detento Branco foi atendido no Hospital São Vicente e encontra-se a disposição da Justiça. Os outros presos devem ser transferidos para Salvador, já que a cadeia ficou completamente destruída na rebelião.

Compartilhe