Mais de 20 anos depois, Plano Collor pode voltar a causar prejuízos

O procurador do Banco Central, Isaac Sidney Menezes Ferreira, disse
nesta sexta-feira que o sistema bancário deverá ter prejuízo de
aproximadamente R$ 149 bilhões se o Supremo Tribunal Federal (STF)
decidir que os bancos devem pagar a diferença nas perdas do rendimento
de cadernetas de poupança causadas pelos planos Collos, Cruzado, Bresser
e Verão. Segundo ele, isso causaria retração no crédito.

Por isso, o procurador, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o
presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, reuniram-se com o
presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, e com outros ministros para
defender a manutenção da validade dos planos.

O Supremo marcou para a próxima quartao julgamento da ação na qual a
Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) pretende confirmar a
constitucionalidade dos planos econômicos. Na mesma ação, o Idec
(Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) pede que os bancos paguem
aos poupadores os prejuízos financeiros causados pelos índices de
correção dos planos inflacionários.

Compartilhe