Bacelar diz que população carente protesta fechando ruas porque foi abandonada pelo Estado

O deputado estadual João Carlos Bacelar (PTN) denunciou hoje que o governo da Bahia abandonou completamente os bairros populares e promove o desperdício dos recursos públicos como o fez com o bairro de Nova Esperança, ? s margens da estrada Cia-Aeroporto, em Salvador, onde iriam investir R$38 milhões na urbanização e requalificação do bairro.

?Iriam construir 471 casas, requalificar 477, recuperar asfalto, urbanizar ruas, regularizar o abastecimento de água, fazer pavimentação, construir escola e creche. A obra foi iniciada em 2007, ainda está inconclusa, já gastou R$45 milhões e o governo ainda quer mais R$10 milhões para a Conder concluir as obras, em véspera de ano eleitoral para, mais uma vez enganar o povo pobre das periferias?, denunciou Bacelar.

De acordo com o parlamentar, é assim que o governo do Partido dos Trabalhadores na Bahia trata os moradores carentes, das periferias, em áreas pobres e sem o mínimo de infraestrutura em todo o Estado. ?Assim como não fez rua, as casas ainda estão inconclusas, as cinco mil pessoas que moram em Nova Esperança já não querem esperar mais e protestam, fechando ruas, queimando pneus, porque só assim o governo escuta e começa a se mexer para dar andamento aos trabalhos?, disse Bacelar.

Segundo o deputado, enquanto o governo do PT gasta em propaganda o dinheiro que deveria estar beneficiando com obras as comunidades carentes, a Bahia possui um dos maiores índices de violência contra jovens negros do país, igualmente abandonados pelas políticas públicas de segurança e entregues ? s drogas. ?O governo não olha par as periferias, para os jovens negros. É por isso que somos recordistas em mortes de jovens negros. Um verdadeiro genocídio se instalou na Bahia e ninguém faz nada. Não se urbaniza os bairros populares, não se tem políticas de segurança pública, mas tem ponte Salvador-Itaparica, tem propaganda de obra que sequer foi iniciada, mas trabalhar para o povo ninguém faz nada?, concluiu parlamentar.

Compartilhe