Dilma diz que só vai aos EUA depois de pedido de desculpas de Obama

A presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta quarta-feira, que cancelou
a viagem que faria aos estados Unidos, há dois meses, porque esperava
um pedido de desculpas do presidente Barack Obama por conta de
espionagens ao governo e ? Petrobras. Segundo Dilma, a retratação dos
americanos é necessária para remarcar a visita ao país.

“Eu iria viajar. A discussão que derivou dessas denúncias nos levou ?
seguinte proposta para os Estados Unidos: só tem um jeito de a gente
resolver esse problema. Se desculpar pelo que aconteceu e dizer que não
vai acontecer mais. Não foi possível chegar a esse termo”, disse em um
painel a “RBS”.

A presidente Dilma disse ter pensado na possibilidade de novas
denúncias serem liberadas pelo ex- agente da CIA, Edward Snowden,
durante o encontro, o que colocaria os presidentes em uma saia-justa.

“Se eu botasse o pé nos Estados Unidos, na hora em que eu estivesse
lá, o que podia acontecer? Porque também ninguém sabe o que tem o
Snowden. Acho que nem os EUA sabem o que ele levou. Então eu e o
presidente Obama estaríamos submetidos ao constrangimento de uma nova
denúncia. O  tema que vocês pautariam não seriam as nossas realizações,
seriam justamente essas denúncias”, explicou.

Apesar de uma quebra “da soberania do país” com a espionagem
americana, a presidente do Brasil afirmou que as relações comerciais
entre os países não saiu prejudicada em nenhum aspecto, embora considere
que a invasão dos americanos tenha desagradado.

“Não há interrupção de nenhum nível das relações tradicionais entre o
Brasil e os EUA”, esclareceu Dilma. “Agora não é possível que entre
países amigos com relações estratégicas não se leve em consideração o
fato de que não é possível espionar a presidente, assim como a
primeira-ministra. Não é adequado”, destacou.

Compartilhe