Queda de Eike Batista ‘envergonha’ Dilma

A queda do empresário Eike Batista ? cuja petroleira, OGX, entrou na semana passada com pedido de recuperação judicial ? envergonha a presidente Dilma Rousseff, segundo o jornal britânico “Financial Times”.

?Deve haver momentos na carreira de todo político que os faz ter calafrios ao relembrá-los. Para a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, um deles deve ser o dia de abril do ano passado quando ajudou o falido empreendedor Eike Batista a comemorar o ?primeiro óleo? do que hoje são seus falidos campos na costa do Rio de Janeiro?, diz o jornal.

Eike ainda era, na ocasião, o homem mais rico do Brasil, com uma fortuna estimada em mais de US$ 30 bilhões, investidos em empresas de petróleo, mineração, energia e logística. ?Era o auge do relacionamento entre Batista e o governo?, diz o jornal.

O ?FT? aponta que a queda do empresário, ?que em muitas maneiras era o empresário ?de estimação? do governo petista?, levanta dúvidas sobre a direção política futura.

?A ascensão de Eike Batista deu credibilidade ? s afirmações do PT de que suas políticas econômicas estatistas eram simultaneamente amigáveis ao mercado. A queda de Eike fará o partido mais ou menos intervencionista??, questiona a publicação. ?A resposta será crítica para a prosperidade futura do Brasil?.

A reportagem aponta ainda que o relativo silêncio do governo sobre o colapso de Eike é uma surpresa para alguns, que pensavam que o império ?X? era ?grande demais para quebrar?. ?Mais provavelmente, Brasília percebeu cedo que o castelo de cartas de Batista era precário demais para ser salvo?, diz o texto.

Compartilhe