Presidente do TJ-BA é acusado de inflar precatórios

Ainda nesta semana o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decide se abrirá
processo disciplinar contra o presidente do Tribunal de Justiça da
Bahia (TJ-BA), Mário Alberto Simões Hirs, e sua antecessora, Telma Laura
Silva Britto, acusados de irregularidades que teriam causado prejuízo
de R$ 448 milhões aos cofres do Estado. Na pauta da sessão de amanhã
(05) do CNJ estão quatro sindicâncias que apontaram os dois
desembargadores como responsáveis por inflar precatórios pagos pelo
Estado, adotando índices de correção indevidos para as dívidas do poder
público reconhecidas pelo Judiciário. Relator do caso, o corregedor
nacional de Justiça e ministro Francisco Falcão propôs a abertura do
processo disciplinar e o afastamento temporário dos dois juízes até o
fim das investigações. Os desembargadores Mário Hirs e Telma Britto
sustentam, em sua defesa, que os critérios de cálculo dos precatórios
não são da competência administrativa da presidência do tribunal. As
informações são da Folha de São Paulo.

Compartilhe