Câmara dá medalha a Dilma e Barbosa

A presidente Dilma Rousseff, o presidente do Supremo Tribunal Federal,
Joaquim Barbosa, e deputados constituintes foram homenageados nesta
quarta-feira (9) pela Câmara em solenidade comemorativa dos 25 anos da
Constituição Federal, promulgada em 5 de outubro 1988.

Durante a sessão solene, no plenário da Câmara, Dilma e Barbosa, além
do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e do presidente da
Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), receberam a Medalha Assembleia
Nacional Constituinte, cunhada em ouro.

Constituintes, autoridades e jornalistas que participaram da elaboração
da Constituição também receberam medalhas de ouro, prata e bronze,
todas cunhadas pela Casa da Moeda do Brasil em setembro de 1988 e
entregues neste ano por decisão de Alves.

As medalhas de ouro foram destinadas ? Presidência da República e ? s
presidências de Câmara, Senado e do Supremo Tribunal Federal. As de
prata foram para José Sarney, ex-presidente da República e autor da
proposta que convocou a Constituinte, aos deputados constituintes que
atualmente exercem mandato e a outros constituinte indicados pelas
lideranças dos partidos. Receberam as de bronze colaboradores e
indicados pela Mesa Diretora da Câmara, entre os quais jornalistas que
participaram da cobertura da Assembleia Constituinte.

O deputado José Genoino, condenado pelo Supremo Tribunal Federal no
julgamento do mensalão, foi um dos agraciados com medalha de prata. Mas
ele não compareceu – foi representado pelo irmão, o líder do PT na
Câmara, deputado José Guimarães (PT).

Dilma Rousseff disse na manhã desta quarta, por meio do seu microblog
Twitter, que a Constituição de 1988 é a mais ?avançada da nossa
história?. ?Estarei hoje no Congresso p/ sessão solene dos 25 anos da
Constituição de 1988. A Constituição de 1988 é a + avançada da nossa
história na garantia de direitos sociais e liberdades individuais?,
escreveu a presidente.

No discurso de abertura da cerimônia, o presidente da Câmara dos
Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou o país ?transpôs um
momento sóbrio da sua história? com a promulgação da Constituição de
1988.

Ele lembrou que a nova Carta Magna marcou o fim do período autoritário,
com a consagração da liberdade de imprensa, o fim da censura e a
garantia de direitos como a educação o acesso universal ? saúde.

Alves destacou o papel do Parlamento e dos deputados constituintes na elaboração da nova Constituição Federal.

?Me recordo em detalhes daqueles 20 meses. Discutimos e votamos mais de
60 mil emendas, centenas de propostas, algumas com milhões de
assinaturas. Foram mais de 24 mil horas de discursos e debates. Esta
casa funcionava 24 horas por dia. Foram 330 sessões num processo longo e
exaustivo?, discursou Alves.

Compartilhe