São Paulo sofre, mas bate Vitória e deixa Z4

Antônio Carlos fez jus ? fama de zagueiro-artilheiro com a qual chegou ao São Paulo. Neste sábado, com dois gols dele, a equipe tricolor bateu o Vitória, por 3 a 2, numa partida bastante movimentada no Morumbi, pela 26ª rodada do Brasileirão. O defensor abriu o placar, Juan empatou de pênalti, Luis Fabiano e Dinei marcaram, e Antônio Carlos só foi definir o placar aos 41 minutos do segundo tempo.

Com o resultado, o São Paulo volta a vencer após três derrotas seguidas sob o comando de Muricy Ramalho. A equipe deixa provisoriamente a zona de rebaixamento, com 30 pontos, dois a mais do que o Vasco, que faz clássico contra o Flamengo, neste domingo, em Brasília. Se o time cruzmaltino vencer seu maior rival, volta a empurrar o São Paulo para a degola.

O triunfo também é uma resposta a Ney Franco, que foi demitido do São Paulo antes do meio do campeonato e que estava há oito rodadas invicto com o Vitória. O time baiano, que briga pelo G4, segue em sexto, com 37 pontos, a quatro do Atlético Paranaense, o quarto.

O JOGO – Ney Franco foi embora, Paulo Autuori foi contratado e demitido, Muricy Ramalho chegou, e Douglas continua agradando treinadores e irritando torcedores. Neste sábado, Muricy resolveu “inventar” a mesma “invenção” dos seus antecessores. Colocou Douglas no meio-campo. Para isso, fez de Paulo Miranda lateral, de Rodrigo Caio zagueiro e de Maicon volante. Também resolveu dar chance de Ademilson depois de Aloísio, Welliton e Osvaldo não agradarem ao lado de Luis Fabiano.

As coisas pareciam caminhar bem. Logo aos 4 minutos, Ganso bateu escanteio, Antônio Carlos subiu bem, sozinho, e cabeceou para abrir o placar. O problema é que o futebol do São Paulo no primeiro tempo ficou nisso. Outro lance de perigo, só chute isolado de Ganso, que Wilson espalmou para escanteio. Rogério Ceni também trabalhou para evitar gol de falta de Ayrton.

Vendo que o São Paulo não oferecia muito perigo, o Vitória se arriscou no ataque e empatou numa sequência de trapalhadas. De Antônio Carlos que escorregou ao tentar afastar bola e de Rogério Ceni, que chegou atropelando Dinei para corrigir a falha do colega. Pênalti bem marcado. Juan foi para cobrança, escorregou, mas conseguiu mandar para o gol. Rogério reclamou muito com o árbitro Anderson Daronco alegando que o ex-são-paulino tocou com os dois pés na bola. Com razão.

“Já estamos uma bosta. Aí vem o árbitro fazer isso”, criticou o Ceni, para as câmaras de televisão, na saída para o intervalo. “Não sei se pegou nos dois pés. Foi muito rápido. Não dá para saber”, se defendeu Juan, que provocou a torcida tricolor ao marcar.

O segundo tempo começou ruim para o São Paulo, com o Vitória em cima. Mas a pressão não durou muito e logo eram os donos da casa que jogavam no ataque. Aos 16, Rodrigo Caio quase fez de cabeça. O segundo gol viria aos 20. Ademilson recebeu de Ganso e deu passe inteligente para Luis Fabiano. O centroavante ficou cara a cara com Wilson e não desperdiçou.

Quatro minutos depois, porém, o Vitória empatou. E mais uma vez graças a um erro. Vander tentou chutar, pegou torto na bola, e acabou cruzando para Dinei. Marcado na área pelo meia Maicon, o atacante teve espaço para cabecear e deixar tudo igual. Quase no lance seguinte, Vander saiu na cara de Rogério, mas mandou para fora a chance de virar.

Muricy Ramalho então decidiu mexer. E como tem feito desde que voltou ao São Paulo, só trocou seis por meia dúzia. Um atacante (Ademilson) por outro (Aloísio). Depois, um meia (Douglas) por outro (Lucas Evangelista).

Não que o time tenha melhorado, mas o empate veio. Aos 42 minutos, Ganso bateu falta na área, Paulo Miranda trombou com Wilson na pequena área, o árbitro nada marcou, e a bola sobrou para Antônio Carlos, sozinho, no segundo pau.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 3 X 2 VITÓRIA

SÃO PAULO – Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio, Antônio Carlos e Reinaldo; Wellington, Maicon, Douglas (Lucas Evangelista) e Paulo Henrique Ganso; Ademilson (Aloísio) e Luis Fabiano. Técnico – Muricy Ramalho.

VITÓRIA – Wilson; Ayrton, Victor Ramos, Kadu e Juan; Luiz Gustavo (William Henrique), Luís Cáceres, Escudero e Renato Cajá (Vander); Marquinhos e Dinei. Técnico – Ney Franco.

GOLS – Antônio Carlos, aos 4, e Juan (de pênalti), aos 33 minutos do primeiro tempo; Luis Fabiano, aos 20, e Dinei, aos 24, e Antônio Carlos, aos 41 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Anderson Daronco (RS).

CARTÕES AMARELOS – Maicon, Rogério Ceni, Reinaldo, Ayrton, Kadu, Escudero, Dinei e Renato Cajá.

RENDA – R$ 250.953,00.

PÚBLICO – 22.252 pagantes.

LOCAL – Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Compartilhe