Orçamento de 2014 prevê aumento de receitas e investimentos

O prefeito ACM Neto e o secretário municipal da Gestão, Alexandre Pauperio, detalharam hoje (01) ? imprensa a Lei Orçamentária de 2014, encaminhada ontem (30) ? Câmara Municipal. O texto prevê receita estimada em R$ 6.388.019 bilhões para o próximo exercício fiscal, sendo R$ 4.582.597 para a área fiscal e R$ 1.805.422 para a área de seguridade. Com a nova estimativa, o orçamento de Salvador terá um incremento de 56% em 2014, em comparação ao orçamento deste ano. Para investimento, a ampliação em relação ao orçamento deste ano ultrapassa a casa dos 450%, saltando de R$207.554 mil para R$1.155,220.

O prefeito explicou que o orçamento já prevê os recursos das obras e realizações previstas no planejamento estratégico da Prefeitura, que será apresentado ? imprensa ainda este mês. O planejamento estratégico define as metas de cada órgão da Prefeitura, estabelecendo prazos. ?Fizemos um grande esforço para elevar o orçamento de 2014 mais de 50% em relação ao deste ano. Isso fruto de um conjunto de medidas legislativas na área tributária que aprovamos este ano, elaboração de projetos para atrair recursos, inclusive federais, e operações de crédito, pois Salvador não tem mais restrições para obter recursos?, afirmou ACM Neto.

A proposta orçamentária estabelece as receitas que a Prefeitura espera arrecadar durante o ano e fixa os gastos para 2014. Além dos índices que prevê a Constituição Federal de investimentos na saúde e na educação, de 25% e 15%, respectivamente, foi elaborado um plano estratégico com 44 iniciativas composta por ações que englobam toda a administração. ?Vamos gastar menos com a Prefeitura e mais para fazer investimentos, além de melhorar os serviços públicos?, salientou o prefeito.

O secretário de Gestão, Alexandre Pauperio, lembrou que a atual gestão assumiu a Prefeitura repleta de dívidas e numa situação financeira complicada. Por isso, a capacidade de investimento este ano foi baixa. ?A administração precisou contigenciar R$500 milhões do orçamento, realizando cortes em todas das áreas, mas sem deixar de priorizar os serviços essenciais ? população?, frisou.

Compartilhe