The Economist volta a criticar economia brasileira

A revista britânica ‘The Economist’ continua com sua campanha contra o Brasil e publica em sua edição desta semana, voltada para Ásia e América Latina, mostra em reportagem de capa o Cristo Redentor  decolando como um foguete sem rumo, com o título ?Estragou tudo??

De acordo com a matéria, o crescimento econômico brasileiro está travado e questiona se a presidente Dilma Rousseff conseguirá ?religar os motores?.
Ao criticar o Brasil, a revista esquece-se das catástrofes que atingiram as economias mais desenvolvidas do mundo, como os Estados Unidos que constantemente sofre com atentados terroristas, além da crise econômica que o país enfrenta, desemprego, etc.

Esquece ainda que na Europa o nível de emprego é um dos mais baixos da história do continente. Como sugestão de capa para a próxima edição poderia ser o Big Ben decolando para o fundo do Tâmisa, numa alusão ao desempenho pífio da economia britânica.
Atentado terrorista ? s torres gêmeasAtentado terrorista ? s torres gêmeas

 A revista vem criticando a gestão da economia brasileira em suas últimas edições, o que mereceu até um comentário bem humorado do ex-ministro Delfim Neto: A ?The Economist? é uma publicação de grande importância, quer se goste dela ou não, mas possui duas características que lhe são peculiares: é extremamente pretensiosa e tem uma ironia doentia.

 ?Portanto, não se pode dar confiança aos seus conselhos e sugestões. É uma revista que se diverte quando alguém a leva a sério?, afirma ele.
A capa da edição com críticas ao BrasilA capa da edição com críticas ao Brasil

Em edição de novembro de 2009, a revista elogiava o Brasil, afirmando que o país estava em alta. Mas, a partir do final de 2012, começaram as críticas ? política econômica brasileira e sugeriu que a presidente Dilma deveria demitir o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Em junho deste ano, a The Economist volta a ironizar o Brasil dizendo que Dilma deveria segurar Mantega no cargo a todo custo. 

Compartilhe