Aids está entre principais causas de doenças incapacitantes na América Latina

O comportamento da contaminação da aids está mudando no mundo,
exigindo mais atenção e investimentos em países que há alguns anos
registravam baixos índices e passaram a apresentar níveis epidêmicos. A
informação faz parte do estudo O Peso do HIV: Percepções a partir do
Estudo Global sobre o Peso de Doenças 2010, do Instituto de Métricas e
Avaliação da Saúde (IHME, sigla em inglês), da Universidade de
Washington.

Apesar da queda global generalizada nas taxas de mortalidade pela
doença, entre 2006 e 2010, as mortes em decorrência da aids aumentaram
em 98 países. O estudo mostra que a contaminação pelo vírus cresceu
principalmente em nações que não tinham sido afetadas pela epidemia em
décadas anteriores. O HIV é a principal causa do surgimento de doença em
21 países, concentrados em quatro regiões: África Oriental e Austral,
África Central, Caribe e Sudeste Asiático.

De acordo com a pesquisa, em quatro dos 17 países da América Latina
(Colômbia, Honduras, Panamá e Venezuela), a aids aparece como uma das
dez principais causas de doenças incapacitantes e em outros sete países,
está no ranking das 25 principais causas de enfermidades, como a Bolívia, o Brasil, Equador, a Guatemala, o Paraguai e Peru.

O estudo enfatiza que apesar dos progressos em políticas públicas no
combate ? mortalidade, a doença continua a ser uma das principais
causas de perda de saúde, especialmente para pessoas com idades entre 25
e 45 anos.

A pesquisa considera como perda de saúde a relação entre os anos de
vida perdidos por morte prematura e anos vividos com incapacidade por
pessoas com o vírus da aids, o que permite comparações entre diferentes
populações e condições de saúde.

Em 2010, 20% da perda de saúde devido ao HIV foram registrados em
países onde o vírus não estava entre as dez principais causas de
doenças. Em 2005, esse percentual era 15,5%. De acordo com o documento, a
Venezuela está entre os países latino-americanos mais afetados pelo
HIV. A doença foi responsável por 3,6% do surgimento de casos de outras
enfermidades em 2010 no país.

?Houve uma redução no mundo da mortalidade por aids, que ainda é, no
entanto, a principal responsável por doenças incapacitantes em 21
países ? a maioria desses, africanos ? mas também em locais como a
Tailândia e diversos países do Caribe. Acredito que foi surpreendente
ter tantos países afetados dessa forma pela aids na América Latina?,
disse a pesquisadora do IHME e líder do estudo, Katrina Ortblad, ? Agência Brasil.

?A principal mensagem do estudo é que o vírus HIV não desapareceu.
Apesar de avanços, com esforços governamentais e mudança de
comportamento da população, a aids é a quinta principal causa de doenças
em todo o mundo, considerando tanto as mortes quanto os anos de
incapacidade prematura?, acrescentou.

Apesar de ainda registrar taxas elevadas de contaminação, o Brasil e
o México estão em uma tendência de queda acentuada, com redução da
mortalidade em 45,3 % e 69,2 %, respectivamente, do ano de pico até
2010. De acordo com o instituto norte-americano, o Brasil atingiu o auge
de contaminação em 1996, e o México em 1998.

?O Brasil tem feito grandes progressos no combate ao HIV, comparando
com outros países latino-americanos a redução dos níveis de mortalidade
é impressionante. Nós também comparamos os avanços do Brasil com os
demais países do Brics, como China, Rússia e Índia?, destacou a
pesquisadora.

Em 15 dos 17 países latino-americanos, a tendência é queda de
mortalidade por aids. Chile e Guatemala são as exceções. Nesses países,
as mortes pela doença ainda estão crescendo.

Na Argentina, embora a taxa de mortalidade tenha atingido o pico há
12 anos, a doença foi a sexta maior causa de problemas de saúde de
homens e mulheres na faixa etária de 35 a 39 anos em 2010, aumento de
490% desde 1990.

Embora o estudo tenha detectado a alta de contaminação da doença em
países da América Latina, ele não explica os motivos do aumento.

O estudo descreve avanços no cenário global da aids. Ao atingir o
ápice mundial de contaminações em 2006, a doença está diminuindo a uma
taxa média anual de 4,17%. Segundo a pesquisa, o bom resultado no
combate pode ser atribuído ao financiamento global e ? consciência
política.

No entanto, a doença continua a ser uma ameaça ? saúde na África, no
Caribe e na Tailândia. O instituto estima que em 2012 ocorreram mortes
em decorrência do vírus em 186 países.

A pesquisa faz parte de um projeto colaborativo de cerca de 500
pesquisadores de 50 países liderados pelo IHME, da Universidade de
Washington. De acordo com o instituto, trata-se de um esforço científico
sistemático para quantificar os níveis e as tendências de perda de
saúde devido a doenças, ferimentos e fatores de risco.

Compartilhe