Salvador vai de Bike cadastra quase 3 mil em um dia

Até o início desta segunda-feira (23), o projeto Salvador Vai de Bike, lançado no final de semana pelo prefeito ACM Neto, já contabilizava 2.804 pessoas cadastradas. Deste total, 1.244 já tinham efetivado seu credenciamento, pagando a taxa anual de R$ 10 para utilizar as bicicletas disponibilizadas nas estações de compartilhamento que estão sendo instaladas por toda a cidade. De acordo com o Escritório Municipal da Copa (Ecopa), responsável pela iniciativa, até o final do ano a cidade contará com 40 estações públicas, onde 400 bicicletas poderão ser utilizadas pela população durante toda semana.

O projeto, fruto de uma parceria da Prefeitura com a empresa Serttel e o Banco Itaú, começou ontem (22), Dia Mundial sem Carro, com cinco estações localizadas no Campo Grande, Praça da Piedade, Praça Castro Alves, Porto da Barra e Jardim Apipema. Além das estações, a Prefeitura também inaugurou o primeiro circuito de ciclofaixas, ligando o Campo Grande ao Centro Histórico. A proposta é incentivar o uso de bicicletas na cidade, buscando melhorar a mobilidade urbana, assim como difundir uma cultura de sustentabilidade entre os soteropolitanos.

O titular da Ecopa, Isaac Edington, comemorou hoje (23) o sucesso da iniciativa. ?Tanto pelo que vimos nas ruas, com as pessoas utilizando as bicicletas, como nos comentários muito positivos nas redes sociais e no número de cadastrados já recebidos, podemos dizer que o programa é um sucesso. A repercussão tem sido muito boa, superando, inclusive, as nossas expectativas?, afirmou. Ele revelou que uma nova ciclofaixa será inaugurada em breve, no trajeto Barra, a partir do farol, ? Ondina, na Praça Bahia Sol.

Outra novidade anunciada pelo secretário da Ecopa é ideia de utilizar o Elevador Lacerda, aos domingos, para fazer a ligação das ciclofaixas do Centro Histórico e Comércio, que também será criada. Segundo Edington, o trajeto só será viabilizado depois que todas as cabines do elevador estiverem funcionando. A partir daí, a proposta é que os usuários do serviço de bicicletas poderão usar o equipamento para se deslocar da Cidade Alta para a Cidade Baixa, nos domingos e feriados.   

Além das estações de bicicletas públicas, a Prefeitura começou a instalar Paraciclos em locais estratégicos da cidade. Esses equipamentos vão garantir um local adequado e seguro para o ciclista guardar sua bike. Designers da Desal, órgão da Prefeitura, desenvolveram também novas estruturas, denominadas de “Ciclovagas”. São bicicletários especiais instalados na via pública que ocupam uma vaga de carro para dar lugar as bicicletas.

Como funciona – O Sistema Público de Bicicletas Compartilhadas consiste na instalação de estações inteligentes em locais estratégicos da cidade, conectadas a uma central de operações via wireless, alimentadas por energia solar, distribuídas em pontos estratégicos. O usuário deverá arcar apenas com o credenciamento anual, no valor de R$10, valendo-se do serviço ao longo de 12 meses, ou seja, sem a cobrança de tarifas diárias ou mensais, diferente do que ocorre em outras capitais.

Nos domingos e feriados, os usuários poderão desfrutar gratuitamente do serviço durante 90 minutos. Nos dias de semana e sábados, a gratuidade é oferecida durante 45 min. Já as ciclofaixas vão funcionar só aos domingos e feriados. Elas visam a oferecer ? cidade uma opção de baixo impacto sobre o ambiente urbano, ao mesmo tempo em que contribuem para a valorização do patrimônio histórico e cultural da capital baiana. Para isso, foram identificados pontos estratégicos nos roteiros (praças, museus, monumentos históricos, paisagens), com o objetivo de incentivar a visitação, fortalecendo o turismo.

Um dos parceiros instituições do projeto é a Superintendência de Segurança Urbana e Prevenção ? Violência (Susprev) ou Guarda Municipal, que atua para dar apoio ? segurança do patrimônio e dos usuários do sistema. Segundo o gerente de Operação da Susprev, João Neto, o primeiro dia de funcionamento ocorreu sem maiores imprevistos. ?Como as estações estão situadas dentro do roteiro onde atuamos, nossas rondas circulam a cada intervalo por esses locais assegurando mais segurança para o patrimônio publico e para a população?, afirmou o gerente.    

No desenvolvimento do projeto, a Ecopa conta ainda com a parceria da Secretaria Municipal de Urbanismo e Transportes (Semut) e da Superintendência de Trânsito e Transporte (Transalvador). Além disso, o projeto tem o apoio da Secretaria da Cidade Sustentável (Secis), da Superintendência de Controle e Ordenamento do Solo do Município (Sucom), da Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Desal), da Superintendência de Conservação e Obras Públicas de Salvador (Sucop) e da Empresa Salvador Turismo (Saltur).

Mais informações no site

Compartilhe