Justiça nega liminar contra leilão do pré-sal

A primeira liminar solicitada ? Justiça para suspender o leilão do
campo de Libra, no pré-sal da bacia de Santos, foi negada ontem pelo
juiz federal Marcelo Fonseca Guerreiro, informou a ANP (Agência Nacional
do Petróleo).

Segundo a agência, a ação popular foi impetrada pelo advogado Luiz
Fernando Rodrigues Cordeiro na 30ª Vara Federal do Rio de Janeiro.

O pedido era de que o leilão fosse suspenso até a conclusão dos
trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado Federal. A
Comissão foi instaurada para apurar denúncias de espionagem nas
comunicações da presidente, Dilma Rousseff, e da Petrobras.

Esta semana, foram ouvidos os depoimentos da diretora geral da ANP,
Magda Chambriard, e da presidente da Petrobras, Graça Foster. As duas
afastaram qualquer risco para a realização do leilão, no caso de uma
comprovação de espionagem pelo governo americano, já que as informações
estratégicas não estão na internet.

Esta é a primeira de uma série de liminares que deverão ser solicitadas
por agentes da indústria do petróleo contra o leilão de Libra.

Maior descoberta do Brasil, o campo tem reservas recuperáveis entre 8
bilhões e 12 bilhões de barris de petróleo, quase dobrando as reservas
atuais de 15 bilhões de barris do Brasil, se forem comprovadas.

Um grupo liderado por ex-colaboradores do governo Lula, como Ildo
Sauer, ex-diretor da Petrobras, e Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES,
vão se juntar ? s habituais ações contra o leilão de sindicatos de
petroleiros e da Aepet (Associação dos Engenheiros da Petrobras).
Eles acusam o governo de entregar uma reserva já descoberta, onde não
há praticamente risco, segundo eles, para as empresas estrangeiras. 

Compartilhe