Produtos e serviços para famílias com renda até 2,5 salários mínimos têm deflação de 0,29%

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), que mede a
inflação para famílias com renda até 2,5 salários mínimos, registrou
queda de preços (deflação) de 0,29% em julho. A queda foi maior do que a
observada pelo Índice de Preços ao Consumidor Brasil (IPC-BR), que mede
a variação de preços de produtos e serviços para todas as faixas de
renda e teve deflação de 0,17%.

Em junho, o IPC-C1 registrou inflação de 0,33%. A queda da taxa foi
provocada por deflações em três das oito classes de despesas que compõem
o índice, além de uma inflação menos intensa em outros três grupos. Os
transportes passaram de uma inflação de 0,88% em junho para uma deflação
de 1,54%.

O grupo de despesas vestuário passou de uma inflação de 0,51% para
uma deflação de 1,04%. Os alimentos já haviam tido deflação em junho
(-0,22%), mas tiveram uma queda de preços ainda mais intensa em julho
(-0,54%). A inflação ficou mais intensa para as despesas com habitação
(que passou de 0,67% para 0,29%), saúde e cuidados pessoais (de 0,39%
para 0,26%) e comunicação (de 0,29% para 0,05%).

Em sentido oposto, duas classes de despesa tiveram alta na inflação:
despesas diversas (cuja taxa passou de 0,29% para 0,44%) e educação,
leitura e recreação (que passou de 0,31% para 0,48%). Com a deflação de
0,29% observada em julho, o IPC-C1 acumula altas de 2,74% no ano e de
5,84% nos últimos 12 meses.

Compartilhe