Irmão de PC Farias refuta juiz e diz que acusação de suborno é ‘factoide’

O irmão do empresário PC Farias, Augusto Farias, encaminhou uma nota ?
imprensa afirmando que a acusação do juiz Maurício César Brêda, de que
ele teria pagado propina a um delegado para não ser investigado no
crime, é um factoide. O ex-deputado disse que não pode ser pode ser
processado pela suposta tentativa de suborno porque o jornalista
suspeito de intermediar a ação já foi absolvido pela Justiça de Maceió.

“Com relação ?  decisão do Dr. Maurício César Brêda, acerca de
determinar a apuração da inexistente tentativa de suborno, venho
esclarecer que este factoide já foi submetido ? apreciação do Poder
Judiciário e que o jornalista Roberto Baía foi absolvido da acusação,
nos autos da ação penal n.º 3.780/2000, que tramitou na 3ª Vara Criminal
de Competência Mista de Maceió”, declara Augusto Farias na nota.

“Informo, ainda, que o próprio promotor do caso requereu a absolvição
do referido jornalista e a decisão transitou em julgado desde o dia 13
de novembro de 2001”, acresenta.

Durante o julgamento dos quatro seguranças que eram suspeitos de
omissão na morte de PC e da namorada, Suzana Marcolino, o juiz Maurício
Breda pediu ao Ministério Público que denunciasse Augusto Farias por
corrupção ativa.

Ele é suspeito de oferecer uma propina de até R$ 100 mil ao delegado
da Polícia Civil de Alagoas, Antonio Carlos Lessa, que queria
investigá-lo pela morte do irmão. A proposta de suborno teria sido
intermediada pelo chefe da sucursal de Arapiraca (AL) do jornal “Tribuna
de Alagoas”, que pertence ? família de PC Farias.

“Esclareço, por fim, que o Dr. Maurício César Brêda tem conhecimento
destes fatos, porquanto a sentença absolutória e o referido parecer
foram juntados aos autos da ação penal referente ao processo crime que
apurou as mortes de Paulo César Cavalcante Farias e Suzana Marcolino da
Silva”, encerra a nota.

Compartilhe