CNJ aprova resolução e estabelece casamento gay em todo o país

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) aprovou hoje (14) uma resolução
obrigando todos os cartórios do país a celebrar casamentos gays. O tema
foi proposto pelo presidente do conselho, ministro Joaquim Barbosa, e
aprovado por 14 votos a 1.

A maioria dos conselheiros entendeu que a decisão do STF (Supremo
Tribunal Federal) de 2011, ao reconhecer, na discussão sobre a união
estável em relações homoafetivas, que casais homossexuais têm os mesmos
direitos dos heterossexuais, na prática, reconheceu também o direto ao
casamento civil.

De acordo com o artigo primeiro da resolução: “É vedada ? s autoridades
competentes [no caso, os cartórios]a recusa de habilitação, celebração
de casamento civil ou de conversão de união estável em casamento entre
pessoas de mesmo sexo”. E continua. “A recusa prevista no artigo 1º
implicará a imediata comunicação ao respectivo juiz corregedor para as
providências cabíveis.”

O assunto, no entanto, é polêmico, pois está em discussão atualmente no
Congresso Nacional. No país, alguns Estados celebram casamentos civis
de casais gays, mas muitos outros afirmam que isso só poderia acontecer
se o Legislativo editar uma lei específica sobre o assunto.

A única conselheira a votar contra a resolução proposta por Barbosa foi
Maria Cristina Peduzzi, para quem a regra não poderia ser estabelecida
pelo CNJ sem uma previsão legal.

Quando o Supremo analisou a união estável entre homossexuais, alguns
ministros chegaram a afirmar que, na prática, ao reconhecer a igualdade
em relação aos heterossexuais, o tribunal também estava reconhecendo o
direito ao casamento civil.

Outros, no entanto, argumentavam que isso não havia sido
especificamente tratado e deveria ser avaliado pelo Congresso ou em
outra decisão do próprio tribunal.

A decisão de de hoje do CNJ pode ser questionada ao STF e o assunto deve voltar a ser discutido entre os ministros. 

Compartilhe