Júri popular absolve PMs investigados por morte de PC Farias e namorada

Os quatro seguranças julgados por omissão no assassinato do
empresário Paulo César Farias, o PC Farias, e da namorada dele, Suzana
Marcolino, foram considerados inocentes pelo júri popular do Tribunal do
Júri do Fórum de Maceió. A sentença foi anunciada pelo juiz Maurício
Breda ? s 21h desta sexta-feira.

Os PMs Adeildo Costa dos Santos, Reinaldo Correia de Lima Filho,
Josemar Faustino dos Santos e José Geraldo da Silva respondiam ao
processo por omissão no crime. Em 1996, quando o casal foi morto em uma
casa de praia de Guaxuma, Alagoas, os quatro réus faziam a segurança
pessoal de PC Farias. Eles eram acusados de não terem tentado impedir
que os dois fossem mortos.

Os jurados consideraram que era dever dos seguranças ter impedido os
assassinatos, mas não avaliaram este fato como omissão. Além disso, foi
descartada a hipótese de Suzana ter matado PC e depois se suicidado. O
crime foi entendido como duplo homicídio. Desde que o casal foi
encontrado morto, a polícia nunca chegou aos autores dos disparos.

O juiz Maurício Breda pediu ainda ao Ministério Público que denuncie o
irmão de PC Farias, Augusto Farias, por corrupção ativa. Ele é suspeito
de oferecer uma propina de até R$ 100 mil a delegados que queriam
investigá-lo pela morte do irmão. A proposta de suborno teria sido
intermediada por um jornalista. A conversa foi gravada por uma emissora
de TV.

Compartilhe