‘Dilma fazia parte de grupo terrorista’, diz coronel reformado

Em depoimento ? Comissão Nacional da Verdade (CNV) nesta sexta-feira,
o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do
Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa
Interna (DOI-Codi), órgão de repressão da ditadura militar, afirmou que
a presidente Dilma Rousseff participava de um “grupo terrorista” que
tinha como objetivo “implantar o comunismo no Brasil”.

“Ela participou de quatro organizações terroristas que tinham isso,
de implantar o comunismo. Estávamos lutando pela democracia e estávamos
lutando contra o comunismo. Se não fosse a nossa luta, se não tivéssemos
lutado, eu não estaria aqui porque eu já teria ido para o ‘paredón’. Os
senhores teriam um regime comunista, um regime como o de Fidel Castro
(ex-presidente de Cuba)”, declarou Ustra.

Na década de 60, Dilma integrou organizações clandestinas como a
Política Operária (Polop), o Comando de Libertação Nacional (Colina) e a
Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares), que lutavam
para derrubar a ditadura militar. Ela chegou a ficar presa durante três
anos, ao ser condenada por “subversão”.

Compartilhe