?O governo municipal precisa explicar como se aplica honestidade no uso do dinheiro público?, indagou Lessa

O vereador do PT, Arnando Lessa, usou a Tribuna da 34ª sessão ordinária da Câmara Municipal, realizada na tarde desta terça-feira (07), para cobrar esclarecimentos sobre contratos realizados pela Prefeitura com dispensa de licitação. Entre os apontados pelo petista, está uma contratação firmada pelo poder Executivo com a empresa Trafit (especializada na construção de semáforos), no valor de R$ 1,5 milhão, no mês de abril, para intervenções em trechos específicos da capital baiana, através da Transalvador.

Ainda de acordo com Lessa, a contratação é no mínimo inoportuna, já que a empresa responde por problemas judiciais em vários estados do Brasil e a justificativa apresentada, que seria a utilização de equipamentos patenteados, é um argumento insatisfatório.

 Ao procurar o gestor da Transalvador, o superintendente Fabrizzio Müller, o edil não obteve êxito. ?Eu gostaria de ter essas explicações do superintendente da Transalvador, mas infelizmente ele não compreendeu o novo momento do processo político. É preciso deixar claro que quando pedimos uma audiência ao superintende não é pra pedir emprego ou cargos, mas sim esclarecimento público?, desabafou.

Diante dos questionamentos não esclarecidos e da falta de oportunidade de ser recepcionado pelo gestor do órgão municipal, Lessa afirmou que irá entrar com uma representação junto ao Tribunal de Contas do Município (TCM) e ao Ministério Público (MP), para instaurar uma investigação e avaliar a legalidade desse contrato, já que outros equipamentos poderiam ser utilizados na função.

Mas as denuncias não pararam na polêmica das sinaleiras. O vereador petista também chamou a atenção para outro contrato, desta vez no segmento de saúde do município, mas com problemas judiciais semelhantes.

O Instituto de Gestão e Humanização (IGH) foi contratado pelo valor de R$ 854.514.23 para administrar um posto de saúde, no bairro de Pernambués. Segundo o petista, a empresa já é uma velha conhecida do poder Executivo, já que está sendo objeto de um inquérito civil público e está em análise na mesa do Ministério Público Federal, com a procurada Drª Juliana Azevedo Moraes, com procedimento semelhante e contratos iguais aos atuais, referente ao ano de 2011.

?O governo municipal precisa explicar como se aplica honestidade no uso do dinheiro público. A mesma empresa contratada e pasmem, com dispensa de licitação??, questionou o vereador.

Compartilhe