Liberdade de imprensa: Brasil é o terceiro país com mais jornalistas mortos

O Dia da Liberdade de Imprensa é comemorado nesta sexta-feira. O
Brasil, entretanto, não tem respeitado a autonomia dos profissionais do
ramo. Só em 2013 quatro jornalistas já foram mortos. Em 2012, onze
mortes foram registradas, quase o dobro de 2011, quando foram
registrados seis assassinatos.

Segundo a Campanha Emblema para a Imprensa (PEC, na sigla em inglês),
entidade que defende regras internacionais de proteção a jornalistas em
zonas de guerra, o país é o terceiro com maior número de mortes de
profissionais de imprensa durante o exercício da função. O Paquistão
ocupa o primeiro lugar.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a
Ciência e a Cultura (Unesco), a cada semana pelo menos um jornalista
morre no mundo em função de sua atividade profissional. Além disso,
apenas um entre dez crimes contra trabalhadores da área é levado aos
tribunais e punido.

Compartilhe