Desarticulados grupos de traficantes de drogas

Doze presos em flagrante, quatro adolescentes apreendidos e 15 mandados de busca e apreensão domiciliar e cinco de prisão cumpridos. Este é o balanço da Operação Veredas, deflagrada na manhã desta sexta-feira (26), nos bairros do Rio Vermelho, Vale das Pedrinhas, Santa Cruz e Nordeste de Amaralina.

A ação foi resultado de um trabalho integrado das polícias Civil e Militar e contou com a participação de cerca de 200 policiais de diversas unidades, como o Departamento de Homicídios e Proteção ? Pessoa (DHPP), a Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM), a 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (Nordeste de Amaralina) e a Operação Gêmeos.

De acordo com o diretor do DHPP, delegado Jorge Figueiredo, o disque- denúncia foi uma ferramenta de grande importância para o êxito da operação. ?Foram três meses de investigações a partir de denúncias das próprias comunidades, que têm revelado muita confiança no trabalho das polícias?, disse.

Além de oito armas apreendidas ? seis revólveres e três pistolas ? os policiais encontraram munições de diversos calibres, além de maconha, crack e cocaína, com os presos. ?A presença das bases comunitárias na região e o trabalho conjunto com a Polícia Civil em operações como esta vêm dando bons resultados e trazendo uma maior segurança para a população?, afirmou o comandante da 40ª CIPM, major Marcelo Barbosa.

A operação, ainda em curso, conseguiu desarticular dois grandes grupos rivais que disputam o tráfico de drogas no Nordeste de Amaralina: ?noventa porcento desses presos são integrantes de uma facção criminosa que atua na região e é responsável por muitos homicídios?, explicou o comandante da Operação Gêmeos, major Washington Costa.

Foram autuados em flagrante: Vítor Manuel da Silva Viana, Fredson Firmes dos Santos, Igor Vinícios dos Santos, Osmar Fernando Bittencourt Reis, Natali Bittencourt Reis, Leonardo dos Santos Félix, Francisco Manoel dos Santos, Cristóvaõ de Souza do Espírito Santo Sanches, Carlos André Ferreira Souza, Anísio Lima Ferreira e Sidnei Carlos dos Santos Santana.

Compartilhe