Maduro é empossado presidente da Venezuela

Nicolás Maduro tomou posse como presidente da Venezuela, para o
período de 2013-2019, na tarde de hoje (19) na Assembleia Nacional do
país. Ele recebeu a faixa presidencial e o colar que era usado por Hugo
Chávez das mãos do presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, e
de Maria Gabriela Chávez, filha do presidente morto.

“Nicolás Maduro, hoje 19 de abril, na presença e memória de nosso
libertador Simón Bolívar e do comandante Hugo Chávez e na presença de
presidentes e chefes de Estado e de Governo, e do povo, jura cumprir
esta Constituição e as leis da República em função de dar a maior soma
de felicidade possível ao povo e de seguir construindo o socialismo e
seguir o legado de Hugo Chávez?”, pergunto Cabello para Maduro na
cerimônia de juramento.

“Juro diante da Constituição aprovada pelo povo em 1999, por Deus, por
Cristo e pelo povo, pela memória eterna do Comandante Supremo que
cumprirei e farei cumprir esta Constituição em tudo o que é inerente ao
cargo para construir uma pátria de felicidade independente e socialista
para todos e todas”, declarou Maduro.

Um incidente interrompeu a cerimônia, quando um jovem invadiu a
plataforma, onde estava o presidente empossado, e chegou a tocar em
Maduro, gritando: “Nicolás, me chamo Yonder, me ajuda por favor!”. A
transmissão foi suspensa e o rapaz retirado do local. “Tivemos uma falha
de segurança, eu podia ter levado um tiro, vamos ver o que esse rapaz
precisa”, disse Maduro.

O presidente iniciou o discurso como presidente empossado, agradecendo
as delegações de 61 países presentes no evento (antes a Telesur, canal
de TV estatal, havia  informado 47 delegações). Maduro pediu paz e
tolerância diante dos recentes conflitos ocorridos no país por causa do
resultado da eleição, em que venceu por pequena margem de votos.
“Reconhecemos e respeitamos os milhões de eleitores votantes da
oposição, nós os amamos, mas pedimos que não assumam tanta intolerância e
ódio”, disse.

Após a cerimonia de posse, Nicolás Maduro participará do tradicional
desfile militar de 19 de abril, que comemora o início do processo de
independência do país, ocorrido em 1810.

Na próxima semana, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) anunciará quando
será iniciada a auditoria nas urnas eletrônicas que ainda não foram
verificadas. Segundo o conselho faltam 46% do total das urnas. Maduro
foi eleito com uma pequena vantagem sobre o opositor Henrique Capriles e
a oposição não aceitou reconhecer o resultado sem a verificação dos
votos.

Compartilhe