Chávez tem reunião de cinco horas com equipe de governo, diz vice-presidente

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, participou de uma reunião no
Hospital Militar de Caracas com a equipe de governo, que se estendeu por
mais de cinco horas na tarde desta sexta-feira (22), informou o
vice-presidente do país, Nicolás Maduro. Segundo ele, Chávez se
comunicou por escrito ao longo da reunião e discutiu temas econômicos,
sociais e de segurança no país.

Na noite de ontem, Maduro fez um balanço da reunião aos meios de
comunicação no país. Além do vice, participaram do encontro, o
presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, o ministro de
Energia e Petróleo, Rafael Ramírez, e outros integrantes do Executivo.

De acordo com Maduro, Chávez participou de três reuniões. “Estivemos
juntos com ele por cinco horas e meia. Ele está com muita energia,
ânimo, força e vitalidade”, disse.

O vice-presidente relatou que a comunicação com Chávez foi feita por
“distintas vias de entendimento”, já que o presidente apresenta
dificuldades para falar devido a uma cânula traqueal. De acordo com
Maduro, o presidente está recebendo tratamento e a insuficiência
respiratória está sendo tratada com intensidade.

“Ainda com a cânula na traqueia para apoiá-lo em sua respiração,
Chávez se comunicou por distintas vias escritas, para nos dar as
orientações, fazendo como vocês sabem um grande esforço, com ânimo
extraordinário, com sorriso e olhos brilhantes e vibrantes”, detalhou.

Na reunião, foram tomadas decisões seconômicas para garantir a
continuidade das ações sociais, em especial as de habitação, segundo o
governo. Chávez também deu instruções ao presidente da Assembleia
Nacional, Diosdado Cabello, sobre a convenção de hoje (23), que irá
escolher os pré-candidatos do Partido Socialista Unido da Venezuela
(PSUV) ? s eleições municipais.

Maduro contou ainda que, na reunião, Chávez estava acompanhado de
parentes – as filhas e os netos. As especulações sobre a gravidade do
estado de saúde do presidente aumentaram ontem (22). Na noite de
quinta-feira (21), o ministro de Comunicação e Informação do país,
Ernesto Villegas, fez um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e
televisão, em que informou que a insuficiência respiratória de Chávez
persiste, sem tendência favorável de melhora.

O movimento estudantil e a oposição venezuelana têm cobrado do
governo informações sobre a capacidade de governar de Chávez e ontem o
secretário-geral da Organização das Nações Unidas (OEA), José Miguel
Insulza, expressou sua opinião sobre a situação política no país, que
ainda não teve o juramento do presidente para o novo mandato.

Segundo ele, a interpretação de adiar a posse devido ao tratamento
em Cuba foi uma decisão acertada no momento em que foi tomada em
janeiro. “Em termos políticos, isto [o adiamento] evitou um conflito que
não era necessário. Mas o tema será resolvido e na próxima semana, já
saberemos qual será a situação do presidente e se ele vai poder governar
ou não”, declarou em uma conferência sobre a democracia na América do
Sul, em Paris.

Compartilhe