Salvador pode ter vôo direto para África do Sul

Estimular o turismo entre Salvador e a África do Sul. Esse foi um dos assuntos da pauta do encontro entre o prefeito ACM Neto e o embaixador do país africano, Mphakama Mbete, que aconteceu na manhã desta quarta-feira (20), no Palácio Thomé de Souza. Uma das prioridades é a realização de vôo direto entre a capital baiana e a África do Sul, com o objetivo de alavancar o turismo ? s vésperas da Copa das Confederações deste ano e Copa do Mundo de 2014.

?Durante a Copa do Mundo da África do Sul (em 2010), recebemos muitas visitas do Brasil. Queremos estimular isso. E a Bahia e Salvador são uma prioridade para nós, pois temos muitas coisas em comum?, afirmou Mbete, que estava acompanhado do primeiro secretário da embaixada, Puli Lipholo. ?Queremos aproveitar a Copa para estreitar a relação entre Salvador e a África?, emendou ACM Neto.

Durante a conversa, o embaixador fez perguntas ao prefeito de ordem política e administrativa, bem como curiosidades a respeito do Brasil, da Bahia e de Salvador. ?Temos muitas semelhantes com a Bahia e Salvador que nos aproxima. Estamos construindo uma nova sociedade na África, e queremos trocar experiências e conhecer programas?, disse Mphakama Mbete.

ACM Neto colocou a Prefeitura ? disposição da Embaixada da África do Sul. Ele lembrou que Salvador é considerada a cidade mais negra fora do continente africano, e destacou ações como a criação do grupo de trabalho que está formatando a proposta de cotas nos concursos públicos municipais e na ocupação de cargos de confiança. ?A Bahia foi o primeiro estado a implantar as cotas, através da Uneb, na gestão da professora Ivete Sacramento, hoje nossa secretária de Reparação?, frisou.

O prefeito ressaltou que a Secretaria de Desenvolvimento, Turismo e Cultura está em fase de elaboração de um projeto que vai ?vender? Salvador para o mundo. Haverá, salientou ACM Neto, um foco especial para estimular o crescimento de visitantes do continente africano ? cidade. O prefeito também convidou o embaixador para visitar os terreiros de candomblé da cidade.

Compartilhe