Coreia do Norte ameaça ‘medidas físicas’ contra Seul em nova ofensiva

A Coreia do Norte ameaçou tomar “medidas físicas” contra a Coreia do
Sul nesta sexta-feira. O país comunista também considera as sanções
impostas pela ONU de interromper seu plano nuclear uma “declaração de
guerra”. A ONU aplicou sanções recentemente após a Coreia do Norte
anunciar um próximo teste nuclear.

Segundo o norte-coreano Comitê para a Reunificação Pacífica da
Pátria, a Coreia do Sul poderá sofrer “fortes medidas físicas” se
participar ativamente das novas sanções que foram impostas pela ONU na
terça-feira.

A declaração foi divulgada pela agência estatal “KCNA” e classifica
as sanções como “uma declaração de guerra” devido ao lançamento recente
de um foguete de longo alcance do país comunista, considerado pelas
Nações Unidas um teste ilegal de mísseis.

A Coreia do Norte declarou que não irá negociar com o governo da
Coreia do Sul – ao qual se referiu, mais uma vez, como “grupo de
traidores” – enquanto mantiver sua “política hostil” com relação ao país
vizinho. De qualquer forma, o regime comunista já descartou qualquer
tentativa de se desnuclearizar.

Os norte-coreanos obtiveram foco da atenção mundial ao afirmar na
quinta-feira que prepara um novo teste nuclear e lançamento de foguetes
tendo os Estados Unidos como alvo. No entanto, o secretário de Defesa de
Washington, Leon Panetta, garantiu que Washington está “totalmente
preparado” para lidar com qualquer tipo de provocação do regime
comunista.

A China, conhecida por ser uma aliada histórica da Coreia do Norte,
surpreendentemente disse ? s partes que busquem uma solução dialogada
para que haja garantia de estabilidade na península coreana, embora
tenha dado indícios sobre supostas medidas contra seu aliado comunista
caso este realize o anunciado teste atômico.

Um editorial do jornal chinês “Global Times”, de financiamento
estatal e próximo ao governante Partido Comunista aponta que “se a
Coreia do Norte realizar mais testes nucleares, a China não duvidará em
reduzir sua assistência ao país”.

Compartilhe