Prefeitura investirá mais de R$14 milhões em prevenção ? s chuvas

Com a chegada das chuvas de verão, a Prefeitura de Salvador redobra as atenções para as chamadas áreas de risco da cidade. A Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Defesa Civil anunciou o investimento de R$14 milhões em obras de limpeza de canal. Além disso, a pasta está atualizando um levantamento de 600 encostas que serão priorizadas de acordo com o grau de risco. Desse total, 115 já estão em fase de projeto para obtenção de recursos.

?Estamos preparando os projetos para solicitar recursos junto ao governo federal para fazer intervenções nessas encostas?, afirmou o secretário Paulo Fontana, que visitou hoje (22) ao lado do prefeito ACM Neto o canal do Vale das Pedrinhas, que será limpo. Além disso, a Superintendência Conservação e Obras Públicas (Sucop), ligada ? pasta de Fontana, e a Limpurb, subordinada ? Secretaria de Ordem Pública (Semop), concentraram nesta terça-feira (22) os trabalhos na desobstrução de sarjetas e canais, limpeza de áreas de risco, além da poda de árvores com possibilidade de tombamento.

Serão beneficiadas a Av. Presidente Costa e Silva (Dique do Tororó), com limpeza de caixa de passagem; Rua do Meio (Rio Vermelho), com limpeza de caixa de sarjeta, passagem e calha; passarela do Estádio de Pituaçu (Av. Paralela), com limpeza de caixa e desobstrução de galeria; Rua Constituinte (Periperi), com assentamento de tubo PVC, limpeza de canal e escavação mecânica; Av. Mario Leal Ferreira (Bonocô), com limpeza de calha e caixa de sarjeta, além da retirada de alagamentos em outros logradouros.

?A Limpurb está ajudando a Sucop na limpeza desses canais e na retirada do lixo em áreas onde as ações estão sendo feitas para evitar que haja qualquer transtorno decorrente das chuvas. Estamos com mutirões de limpeza em 603 áreas de risco consideradas prioritárias?, observou a presidente da Limpurb, Kátia Alves.
Codesal – A Defesa Civil de Salvador (Codesal) chama atenção para ações preventivas e colaboração dos moradores para a identificação das áreas afetadas com as chuvas. Alguns sinais devem ser observados, como a inclinação de árvores e postes. Em casos do tipo, a Codesal deve ser acionada através do 199. ?A água também não pode ser jogada diretamente nas encostas e os taludes não devem ser cortados de maneira inadequada?, alertou a chefe do setor de Ações Preventivas do órgão Rita Moraes.

A Defesa Civil aponta outro problema que pode ocasionar alagamentos de área e deslizamentos de terra: o lixo depositado em locais inadequados. Segundo Rita Moraes, o resíduo orgânico depositado nas e costas se decompõe. ?Assim o chorume ocasiona a desagregação das partículas e com a chuva a camada superficial escorrega, levando lixo e terra?, explicou.

Sinaleiras – A Transalvador trabalha na manutenção das sinaleiras que ficam intermitentes com as chuvas e está sendo feito o planejamento para a substituição dos equipamentos que estão com a vedação deficiente. ?Por muito tempo foram feitas apenas a ações paliativas, mas já começamos a levantar os custos para a substituição das sinaleiras que ficam em áreas mais problemáticas, como a Orla?, afirmou o superintendente Fabrizzio Muller.
O órgão também tem solicitado ? Sucop a limpeza das sarjetas de locais com pontos de alagamento e, consequentemente, com engarrafamentos. ?Já podemos contar com três guinchos, que garantem agilidade na retirada de carros que eventualmente são deixados em via pública devido aos alagamentos. São guinchos emprestados através de acordo feito com a Coelba, mas em fevereiro serão feitas novas licitações para aquisição de guinchos próprios?, completou.

Compartilhe