Em artigo, Moro nega “licença para matar” no projeto anticrime

Em artigo, Moro nega “licença para matar” no projeto anticrime

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, rebateu as críticas de que o projeto de lei anticrime daria a autoridades licença para realizar execuções. Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, neste domingo (17/3), afirma que “não há nos projetos qualquer ‘licença para matar’ para policiais”.

Segundo ele, o texto apenas descreve “situações de legítima defesa já admitidas pela prática”, como na prevenção de agressão a pessoas mantidas como reféns, por exemplo. O ministro ainda disse que a proposta regula a questão do excesso em legítima defesa, “reconhecendo que quem reage a uma agressão injusta pode exceder-se”.

Moro também afirmou não se recordar de iniciativa semelhante em outros governos, sobretudo em relação ao combate à corrupção. Citou, como exemplo, a falta de defesa explícita anteriormente da condenação criminal após segunda instância.

O ministro reconheceu que há muitas prioridades na agenda governamental, como a reforma da Previdência, mas afirmou que a segurança pública está nessa lista e que tem possibilidade de ser aprovada. “Vários parlamentares já sinalizaram receptividade e podem contribuir com os projetos”.

Compartilhe
Previous Sobe para 50 número de mortos em ataques na Nova Zelândia
Next Joaquim Levy sofre pressão por devolução de R$ 100 bilhões

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Economia

Crédito no Brasil deve crescer após dois anos de retração

Depois de dois anos ladeira abaixo, o crédito no Brasil deve voltar a crescer em 2018. A expectativa se deve à queda no endividamento das famílias e, consequentemente, na trégua

Notícias

Saiba como será a tramitação na Câmara da denúncia contra Temer

A bateria de acusações do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer é intensa. Até terça-feira da semana que vem, ele deve apresentar uma nova denúncia contra

Notícias

MP negocia nova delação que envolve Lula e Petrobras

Após o Supremo Tribunal Federal (STF), decidir retirar da alçada do juiz Sérgio Moro escutas da delação da Odebrecht sobre as reformas do sítio de Atibaia e a compra do