Ex-presidente da Apex nega ter pedido demissão e gera crise no governo

Ex-presidente da Apex nega ter pedido demissão e gera crise no governo

O novo embaraço na Apex — envolvendo a suposta queda de Alex Carreiro da presidência da agência — iniciou especulações na Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos de que o próximo a ser substituído será o próprio ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Carreiro mostrou a deputados do PSL troca de mensagens pelo WhatsApp que comprovariam que ele não pediu demissão como informou o ministro nas suas redes sociais, mas foi forçado a deixar o cargo na Apex. Nesta quinta-feira (10/1), também procurou interlocutores no Palácio do Planalto para apresentar sua versão.

Na tarde desta quinta-feira (10) Alex Carreiro dá expediente normalmente na agência. A aliados, ele diz que continuará trabalhando até ser chamado pelo presidente Jair Bolsonaro ou até que seja publicada sua exoneração no Diário Oficial da União.

O infortúnio de Carreiro começou quando se descobriu que ele não fala inglês fluentemente, condição essencial para ocupar o cargo. Mas não foi a única razão de sua queda.

Fontes relatam que o problema começou após Letícia Catellani assumir a diretoria da agência. Ex-dirigente do PSL, ela chegou ao posto há dois dias e não teria gostado de saber que Carreiro havia demitido 15 pessoas sem consultá-la. Os dois travaram discussões na frente de servidores da Apex.

Sentindo-se desautorizado, o então presidente decidiu pedir uma reunião com Ernesto Araújo para reclamar da subordinada. Porém, ao se reunir com o ministro, descobriu que sua carta de demissão estava escrita. Carreiro teria se recusado a assinar. Na sequência, o ministro anunciou pelo Twitter que ele havia pedido o desligamento do cargo.

“O Sr. Alex Carreiro pediu-me o encerramento de suas funções como Presidente da Apex. Agradeço sua importante contribuição na transição e no início do governo. Levei ao presidente Bolsonaro o nome do embaixador Mario Vilalva, com ampla experiência em promoção de exportações, para presidente da Apex”, postou o ministro.

Segundo fontes, o presidente Jair Bolsonaro não foi avisado por Ernesto da demissão do então presidente da Apex.

Nesta quinta, o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, foi ao Twitter para tratar do assunto. “Eu não gostaria que fosse assim, mas grande parte da imprensa MENTE constantemente se se preocupar com a informação, somente em desgastar Bolsonaro. A última foi que Bolsonaro teria indicado o 01 da Apex e que o Presidente teria o desautorizado. MENTIROSOS DESCARADOS (sic)!”, escreveu.

Se refere a versão de que foi Eduardo Bolsonaro, outro filho do presidente, quem indicou Carreiro para a Apex, o que teria sido desautorizado pelo pai presidente

Compartilhe
Previous Ariana Fehlberg é eleita presidente da Câmara de Vereadores de Porto Seguro
Next Paulo Bauer diz que foi sondado para ocupar secretaria na Casa Civil

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Preso no Rio, Pezão tinha esquema próprio de corrupção, diz PGR

A pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), foi preso na manhã de hoje (28) no Palácio Laranjeiras, residência oficial do

Notícias

Loures pede para não ter cabelo raspado. Decisão depende de Fachin

O penteado do ex-assessor especial do presidente Michel Temer (PMDB) e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) está nas mãos do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. Relator da

Economia

Inflação dos aluguéis recua na segunda prévia de julho

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,53% na segunda prévia de julho, taxa inferior ao 1,75% da segunda