China media segundo encontro entre Trump e Kim Jong-un

China media segundo encontro entre Trump e Kim Jong-un

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, devem ter um segundo encontro. A data ainda não foi definida, mas a disposição foi apresentada pelo norte-coreano em conversa com o presidente da China, Xi Jinping, durante visita a Pequim.

Os Estados Unidos e a Coreia do Norte estão em negociações para marcar uma segunda reunião de Kim-Trump. Kim concluiu ontem (9) a visita de quatro dias à China ao se reunir com Xi Jinping. A China é um dos mediadores da reunião entre Coreia do Norte e Estados Unidos.

No último domingo (5), Trump disse que os EUA e a Coreia do Norte estavam negociando o local para a realização da próxima cúpula. No primeiro encontro, em junho do ano passado, em Cingapura, ambos se comprometeram a trabalhar pela desnuclearização.

Segundo a Xinhua, agência pública de notícias da China, o norte-coreano afirmou que “continuará mantendo a postura de desnuclearização e resolvendo a questão da Península Coreana por meio do diálogo”.

Porém, a KCNA, agência pública de notícias da Coreia do Norte, informou que Kim “aumentou a preocupação”.

Compartilhe
Previous Sob críticas, Maduro assume hoje o 3º mandato presidencial
Next Mega-Sena acumula de novo e prêmio chega a R$ 12 milhões

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

País registra 59,8 mil novas vagas formais de trabalho em abril

O país criou 59.856 mil vagas de emprego formal durante o mês de abril, conforme apontam os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados hoje (16) pelo

Política

Novo inquérito contra Geddel é redistribuído para Alexandre de Moraes

Depois de o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizar, em dezembro, novo inquérito para investigar o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), por crime de peculato, foi definido

Notícias

Operação Custo Brasil: delator liga Postalis a propina do PMDB

O empresário Paulo Roberto Gazani Júnior, investigado na Operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato, afirmou em acordo de colaboração premiada que o ex-presidente do Postalis Alexej Predtechensky pediu propina